Daniel Teixeira/Estadão
Daniel Teixeira/Estadão

Perto da estreia no Mundial de Clubes, Tite lamenta ter de fazer 'sacrifício'

Técnico do Corinthians não esconde ansiedade e diz ter 15 jogadores que podem ser titulares

FÁBIO HECICO, O Estado de S.Paulo

12 de novembro de 2012 | 02h03

SÃO PAULO - A exatos 30 dias da estreia no Mundial de Clubes, Tite já não esconde o "aperto no coração" por ter de sacrificar cinco dos 16 titulares que diz ter. Além dos 11 que começaram o jogo diante do Coritiba, ele considera ainda Guilherme, Edenílson, Danilo, Romarinho e Emerson com condições de iniciar os jogos.

"Hoje (sábado) o campo me falou que tenho 15 titulares (não contou Emerson, que volta na próxima rodada). Esse é o pepino que tenho nas mãos."

Deixar Guilherme e Edenílson fora da equipe é o "sacrifício" mais fácil para Tite, uma vez que Ralf e Paulinho são unanimidades no Corinthians. Daí para a frente, sobra boa mão de obra e falta espaço para todos.

O técnico conta com dois meias e cinco atacantes para quatro vagas. Os três jogos finais do time no Brasileiro, diante de Inter, Santos e São Paulo, serão decisivos. "É briga, guerra para ser titular. Seria muito mais cômodo para mim deixar os 11 titulares treinando, sem colocar cobrança, sem pedir intensidade. Mas criaria acomodação", disse Tite. "Futebol tem de ter lealdade entre os jogadores, mas disputa por vaga. E o objetivo tem de estar acima do individual."

Tite elogiou o futebol de Martínez e Guerrero diante do Coritiba. E fez questão de ressaltar a boa entrada de Danilo e Romarinho. Para "piorar", ele ainda tem Emerson. "Só tem esse reconhecimento quem treina forte e entra no campo e mostra. Eles têm de ter essa consciência. há o lado profissional e o humano para saber o que é melhor para a equipe. Meu coração já fica apertado por ter de escolher apenas 11."

Os jogadores parecem entender o lado do técnico. "Somos uma família e quem joga tem de fazer o melhor", disse Martínez, agora com discurso diferente do de dias atrás, quando falava que precisava ser titular.

"Quem se acomodar perde a posição e estamos jogando para dar dor de cabeça boa ao Tite", falou Douglas. "Procuro acabar bem os jogos, chegar no ponto para ser titular, mas quem decide é o técnico", disse Guerrero.

Punição possível. A invasão de campo de um portador de deficiência física (não tinha parte da perna esquerda) no sábado pode fazer o Corinthians perder mandos de jogos até em 2013.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.