Alex Cruz/EFE
Alex Cruz/EFE

Phelps abre mão dos doces para competir contra rivais jovens

Nadador reconhece que fisicamente é difícil seguir sua rotina

EFE

05 de setembro de 2015 | 11h19

O nadador americano Michael Phelps, maior vencedor de medalhas de ouro na história dos Jogos Olímpicos, afirmou na sexta-feira que, para assumir o desafio de competir contra rivais muito mais jovens, teve que aceitar certas privações, como deixar de comer doces.

"Tento não comer doces, que adoro, tento manter-me em um determinado peso, algo que não tinha feito no passado e, como consequência, me sinto contente e com mais energia na água. São mudanças pequenas, mas essas pequenas coisas se somam para fazer uma grande diferença". comentou o nadador no fórum México Século XXI, organizado pela fundação Telmex, do magnata Carlos Slim.

Phelps reconheceu que fisicamente é difícil seguir sua rotina, mas no final não deixa que esses pensamentos o dominem e segue adiante. "Às vezes me sinto cansado e com dores, não tenho vontade de fazer o trabalho, mas não deixo que esses pensamentos se coloquem no meu caminho e sigo em frente pra conseguir meus objetivos", declarou o nadador de 30 anos diante de uma plateia de oito mil pessoas, a maioria jovens estudantes mexicanos.

Phelps relatou algumas de suas experiências como campeão de natação, e destacou a sua capacidade de trabalho como o grande motivo para ter sido o melhor nadador da história.

O nadador americano contou que ficou vários anos sem descansar um só dia e isso fez com que treinasse 52 dias a mais por ano que seus rivais, o que no final marcou a diferença a seu favor.

"Meu treinador Bob (Bowman) e eu pensamos que, se queríamos um resultado diferente, tínhamos que fazer coisas diferentes, então nadei 365 dias por ano. Na natação para recuperar um dia perdido, você precisa de dois, e enquanto os outros tentavam colocar em dia por meio dos descansos, eu continuava nadando", comentou.

Além disso, durante a conversa com os jovens mexicanos, Phelps revelou que sua inspiração no esporte é o jogador de basquete Michael Jordan. "Estava no auge de sua carreira quando o vi nos anos 90 ganhando campeonatos atrás de campeonatos. O que ele fez no basquete é o que eu sempre quis fazer na natação", contou.

Embora já tenha passado por seu auge como nadador, Phelps espera retomar seus treinamentos duas vezes por semana para iniciar sua preparação para os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, nos quais prometeu tentar ganhar algumas medalhas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.