Tomothy A. Clary/AFP
Tomothy A. Clary/AFP

Philadelphia Eagles supera o New England Patriots e conquista o Super Bowl 52

Equipe desbanca o favorito na decisão da NFL, a liga do futebol americano

O Estado de S.Paulo

05 de fevereiro de 2018 | 01h27

O Philadelphia Eagles é, enfim, o campeão do Super Bowl. Jogando no U.S. Bank Stadium, em Minneapolis, a equipe venceu o New England Patriots por 41 a 33 e conquistou o Troféu Vince Lombardi pela primeira vez na sua história, após ter sido vice em 1981 e 2005.

+ Leia mais notícias sobre o futebol americano!

E o título não veio sem sofrimento. O Eagles dominou o início do jogo, terminando o primeiro tempo com vitória por 22 a 12. Porém, a pausa para o intervalo, que teve como destaque o show do cantor Justin Timberlake, não fez bem ao time. O Patriots cresceu na partida e passou a incomodar o rival, chegando à virada no começo do último quarto.

O time do quarterback Tom Brady, marido da modelo brasileira Gisele Bündchen, conseguiu segurar a vantagem no placar por alguns minutos, "cozinhando" o duelo. Mas quando tudo indicava que o New England conquistaria seu sexto título na NFL, a principal liga do futebol americano, o Philadelphia conseguiu um touchdown salvador no fim da partida, pavimentando o caminho para levantar a taça. 

A conquista coroa uma campanha de superação do Eagles. Desacreditado por muitos após a séria lesão do quarterback Carson Wentz, que vinha sendo o destaque do time na temporada regular, a equipe passou pelos favoritos Atlanta Falcons e Minnesota Vikings nos playoffs antes de vencer o Patriots. 

A vitória também é especial para Nick Foles, justamente o quarterback que assumiu a responsabilidade de substituir Wentz na reta final da temporada. Escolhido no draft pelo próprio Eagles em 2012, Foles teve um bom início de carreira na NFL, mas caiu muito de produção após se machucar com seriedade em 2014 e depois se transferir para o Saint Louis Rams (hoje chamado Los Angeles Rams), em 2015.

Sem destaque no Rams, o jogador foi para o Atlanta Falcons em 2016, em outra passagem frustrante. O próprio Foles já admitiu em entrevista que pensou em se aposentar precocemente durante a má fase.

A sua sorte começou a mudar no ano passado, após o Eagles apostar novamente em seu futebol, dessa vez para ser reserva de Carson Wentz. A contusão do titular fez muitos desconfiarem da capacidade de Foles em liderar a equipe, mas ele assumiu a responsabilidade, fazendo um grande jogo contra o Minnesota Vikings na final da Conferência Nacional (NFC) e conduzindo seus companheiros no triunfo sobre o New England Patriots. Aos 29 anos e escolhido como MVP (melhor jogador) do Super Bowl, ele atinge uma das maiores glórias do esporte mundial.

FRUSTRAÇÃO

Do outro lado, sobrou a decepção ao Patriots. A equipe perdeu a chance de chegar ao seu sexto título do Super Bowl e se igualar ao Pittsburgh Steelers como o maior vencedor da história. Quarterback titular com mais taças no futebol americano, com cinco conquistas, Tom Brady amargou sua terceira derrota em oito finais disputadas.

Aos 40 anos, o veterano ainda manteve a "maldição dos MVPs" na NFL. Eleito o jogador mais valioso da liga antes do Super Bowl, ele é mais um MVP da temporada que não consegue levar o título. A última vez que isso aconteceu foi há 18 anos, quando Kurt Warner foi campeão pelo Saint Louis Rams.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.