Pichações contra preço dos ingressos

Torcedores demonstram sua indignação nos muros do Palestra Itália

Andressa Zanandrea, O Estadao de S.Paulo

04 de outubro de 2007 | 00h00

Indignados com o aumento no preço dos ingressos para a reta final do Campeonato Brasileiro, torcedores do Palmeiras picharam os muros do Palestra Itália. As pichações surgiram na noite de terça-feira, em protesto contra o aumento do preço do bilhete da arquibancada - de R$ 20,00 para R$ 30,00 -, que entraria em vigor ontem à noite, na partida contra o Náutico.A direção do clube estava aproveitando o fato de a equipe estar na briga por vaga na próxima edição da Taça Libertadores para reforçar o caixa.Dizeres como ''''ingresso-torcedor: R$ 30,00, cambista: R$ 18,00'''' e ''''futebol 0,99'''' estavam ao redor de toda a sede do clube, até na entrada da torcida adversária. Jogadores também foram alfinetados. Uma das pichações dizia: ''''Ingresso: R$ 30,00 para ver Max, Rodrigão, Edmilson e Cia.'''', era o protestoAs pichações, além de demonstrarem o descontentamento dos torcedores com alguns jogadores do elenco, ainda traziam uma acusação, sem provas, aos bilheteiros do clube, que ''''facilitariam'''' a aquisição de ingressos pelos cambistas, que chegavam a negociá-los por preços exorbitantes nas redondezas do estádio, muitas vezes sem se importar com a presença da Polícia Militar.Na parede azulejada de uma das entradas, na Avenida Francisco Matarazzo, a seguinte frase: ''''Pague pela incompetência do Palaia'''', em referência ao ex-diretor de Futebol do Palmeiras, Salvador Hugo Palaia, que deixou o clube em 2006.A frase mais agressiva atingia o atual presidente do clube, Affonso della Monica Neto. ''''Ingresso: R$ 30,00. Um presidente bunda mole, quanto vale?'''', questionava, usando o bordão dos comerciais de uma empresa de cartões de crédito.Os pichadores não foram identificados pela polícia.Não foi a primeira vez que palmeirenses usaram os muros do Palestra Itália para demonstrar revolta com o time. Em 2001, os dirigentes já eram questionados. ''''Diretoria incompetente'''', e ''''Roth (Celso, técnico da época) burro'''', também foram pichados. Em 2003, a bronca foi contra o ex-presidente Mustafá Contursi. No ano passado, o foi o elenco que virou alvo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.