Picuruta: uma vida dedicada ao surfe

Alexandre Salazar Júnior, mais conhecido como Picuruta Salazar, tem boas razões para defender uma velha e boa tese - a de que "surfista nunca se aposenta". Aos 43 anos, este pioneiro das ondas continua esbanjando vontade de cair no mar para surfar. A diferença com o passar dos anos é que agora os seus sonhos são bem diferentes. Títulos, viagens, vitórias? Nada disso. O que Picuruta quer mesmo é pegar boas ondas com seus filhos. "Quero um dia chegar a surfar em um campeonato com meus filhos. Todos juntos", conta o surfista, casado há 18 anos e pai de Caio, de 17 anos, Alex, de 15 e Mateus de 10.Enquanto o sonho não se realiza, Picuruta encontrou uma forma interessante de treinar. Com parceria da Prefeitura de Santos, o surfista tornou possível seu antigo projeto - o de ter uma academia da modalidade e poder dividir suas experiências com as promessas do esporte. "Hoje, já estamos disputando campeonatos com jovens surfistas", conta. A maioria dos campeonatos não tem limite de idade.Picuruta Salazar começou a surfar em 1968. Caía na água com seu pranchão de madeira. Foi influenciado pelo irmão Alex. Na época, não existiam pranchinhas, então ele foi obrigado a iniciar mesmo no longboard. Gostou tanto que continua surfando com os pranchões até hoje.Para surfar no dia-a-dia, Picuruta escolhe uma das suas oito pranchas, cada uma com tamanho diferente, para se adaptar às variadas condições do mar de Santos, onde nasceu e mora até hoje. "Surfar de longboard é como fazer balé com a prancha. Surfar de pranchinha é como escutar rock", compara.Picuruta acorda às 6 horas todos os dias e vai direto para a areia identificar as condições do mar. Depois de avaliar o tamanho das ondas, pega a prancha certa e passa umas duas horas surfando. Depois, retorna para casa e toma o café da manhã. Antes do almoço, mais uma sessão na água.Depois da soneca pós-almoço, mais surfe. "E quando não fico muito cansado, vou para academia nadar um pouco."Picuruta vive do surfe há 32 anos. Por isso sabe bem qual é a importância de patrocínios. "Consegui mostrar aos jovens que é possível viver do surfe." Um dos segredos do sucesso para o surfista, segundo Picuruta, é manter uma boa relação com a família. "Se não tiver um bom relacionamento com seus familiares e respeitar seus pais, não adianta, será difícil se tornar profissional. Como viajo muito, no tempo livre gosto de ficar em casa desfrutando do convívio com minha família."

Agencia Estado,

05 de janeiro de 2004 | 09h37

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.