Sergio Perez|Reuters
Sergio Perez|Reuters

Pira Olímpica do Rio-2016 tem missão de superar predecessoras

Criadores dos receptáculos de Londres e Sydney comentam criações

Gustavo Zucchi - ESPECIAL PARA O ESTADO, O Estado de S. Paulo

01 de junho de 2016 | 10h00

Um dos segredos mais bem guardados dos Jogos Olímpicos só será revelado no dia 5 de agosto. Na cerimônia de abertura da disputa no Rio será revelado o conceito da pira olímpica. Considerado um dos grandes símbolos do evento esportivo, o objeto costuma representar os valores da população local, sempre na esperança de surpreender com uma dose de tecnologia, beleza e criatividade. No caso do Brasil, será a segunda vez na história que a pira ficará fora do estádio olímpico (a primeira foi nos últimos Jogos de inverno, em Sochi, na Rússia). Ela será erguida na Praça Mauá, na região portuária do Rio. Como será e por quem será acessa continuam um mistério.

"Cada País-sede e sua cerimônia de abertura estão diretamente conectados como eles se enxergam, quem eles são e representam. Temos esperanças de que o Brasil vai conseguir entender o "zeitgeist" (termo alemão que designa "espírito de um tempo" ou de uma época) de como vocês interpretam a própria cultura em um contexto global para criar uma visão que expresse o sentido de nação como um todo", explica Michael Scott-Mitchell, designer australiano responsável pela criação de uma das mais incríveis piras olímpicas, a de em Sydney, nos Jogos Olímpicos de 2000.

Scott-Mitcheel criou há 16 anos a pira que acendeu dentro d'água. Foi um trabalho que demorou quatro anos de desenvolvimento, negociação, produção, além do trabalho de engenharia envolvido e de todo o cuidado para que o segredo não fosse revelado antes da hora. Mesmo a atleta Cathy Freeman, primeira aborígine a representar a Austrália nos Jogos Olímpicos e que teve a ideia da pira pensada para ela acender, só soube como seria a apresentação 3 horas da manhã do dia da cerimônia.

"Pensei em uma pira central ao redor de uma atleta australiana e indígena. Desenhei a pira para Cathy Freeman", explica. "Um dos desafios que tive foi o do design pré-existente do estádio e da localização da peça. Alguns assentos extras que seriam instalados também foram um problema, já que quem estivesse neles não conseguiria ver a chama. Era essencial que cada um no estádio pudesse ver e minha experiência em arquitetura e teatro foi fundamental para conseguir resolver esses problemas logísticos."

PIRAS FAMOSAS

A primeira pira olímpica da era moderna foi em Amsterdã, em 1928. Entre as piras mais famosas estão a de Barcelona, em 1992, quando a chama foi acessa pelo arqueiro paralímpico Antonio Rebollo, e em Atlanta-1996, quando o responsável foi o lendário boxeador Muhammad Ali. Confira outras curiosidades envolvendo a peça:

LONDRES

Outro receptáculo que ficou famosa foi o da Olimpíada de 2012, a última, em Londres. Era formada por 204 peças de cobre no formato de pétalas, que se juntavam na cerimônia de abertura para formar uma chama única e se separavam no encerramento, para apagá-la. O responsável pela obra foi Thomas Heatherwick. Ele conta que a ideia acabou sendo realizada com 8.5 metros de altura e cada peça de bronze no tamanho de uma página A3 de papel. "O suficiente para uma criança pequena carregar". No dia 12 de julho de 2012, os 204 times que participaram da Olimpíada estiveram no estádio, com sua bandeira e uma criança carregando a peça de bronze. Aos poucos, cada pétala foi conectada a uma vara central, que juntas formaram o símbolo da abertura.

"Ao invés de tentar reinventar o formato do vaso que comporta a chama olímpica, montado em uma coluna, nós começamos a procurar por uma ideia que estivesse mais relacionada ao contexto de países do mundo todo buscando conquistas esportivas", conta Thomas, no livro oficial do seu estúdio, responsável pela criação.

A pira de Londres teve mais de mil partes móveis. Cada peça foi operada individualmente. Até o momento em que foi levantada, nenhum dos 80 mil espectadores no estádio, nem os bilhões de telespectadores ao redor do mundo, sabiam onde a pira estaria localizada. "A Pira Olímpica é um importante símbolo para o país-sede. É a quintessência do que acredito que os Jogos são: a união através do esporte e da arte", completa Michael Scott-Mitchell.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.