John Sibley / Reuters
John Sibley / Reuters

Pirlo diz que Brasil é 'melhor seleção da atualidade e grande favorito na Copa'

Já Kluivert diz que Alemanha, Espanha e Bélgica também podem ir longe no torneio

Jamil Chade, Estadão Conteúdo

21 de abril de 2018 | 17h06

"A seleção brasileira é a melhor da atualidade". A constatação é do ex-jogador italiano Andrea Pirlo. Em entrevista ao Estado, porém, ele apontou neste sábado que Neymar, mesmo recuperado de lesão, poderá não estar 100% para a estreia do Brasil na Copa do Mundo, no dia 17 de junho, contra a Suíça, em Rostov.

+ Neymar elogia Brasil: 'Nossa seleção é a mais forte da Copa'

+ Resultados na Europa ajudam seleção a ficar completa mais cedo para Copa

+ Mascote da seleção, Canarinho conquista público e vira bicho de pelúcia

"Acho que ele pode se recuperar. Mas talvez não 100%. Acho que mesmo assim ele conseguirá jogar", disse o ex-meio-campista da seleção italiana, campeão do mundo em 2006. Nesta semana, o astro do Paris Saint-Germain indicou que poderia realizar um último exame no dia 17 de maio, o que lhe daria a possibilidade de voltar a campo se for liberado pelos médicos depois de ter sido submetido, no dia 3 de março, a uma cirurgia no quinto metatarso do seu pé direito. Ele sofreu uma fratura no local em jogo do Campeonato Francês, realizado no final de fevereiro.

Mas, apesar da situação ainda incerta de Neymar, Pirlo diz não ter dúvidas de que "o grande favorito para a Copa é o Brasil". Ele expressou esta opinião no mesmo dia em que participou de um jogo amistoso com outros ex-craques para arrecadar recursos para programas da ONU, em Genebra. Em campo estavam Ronaldinho Gaúcho, Edmilson, Cafu, Dida e outros astros internacionais.

Outro que entrou em campo foi Patrick Kluivert, ex-jogador da Holanda. Ele, porém, não tinha a mesma visão de Pirlo sobre a Copa do Mundo. "Não há apenas o Brasil entre os favoritos. A concorrência está aberta", insistiu. "Temos Alemanha, Espanha, Bélgica, que podem ir longe", afirmou.

"O que vale numa Copa é a capacidade de um time crescer durante o torneio e, para isso, todos precisam estar 100% fisicamente", apontou o ex-atacante. "Um time precisa ter craques que, mesmo substituídos, podem ser trocados por outro jogador que, em campo, vai estar tão bem quanto o que saiu", disse.

Autor de um gol contra o Brasil no jogo em que a Holanda foi eliminada na semifinal da Copa de 1998, nas cobranças por pênaltis, na França, Kluivert lamentou a ausência da seleção do seu país deste próximo Mundial. "Precisamos reconstruir um novo time. Precisamos começar uma nova era no futebol holandês", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.