Pista do Ibirapuera ameaça atletas

A pista de atletismo do Conjunto Desportivo Constâncio Vaz Guimarães, no Ibirapuera, necessita passar por mais uma reforma completa. O material sintético, uma espécie de carpete de borracha, está gasto, com alguns buracos, pondo em risco a boa condição física dos cerca de 2 mil atletas que treinam no local. Reformada totalmente em 1993, segundo as exigências da Federação Internacional de Atletismo (IAAF) para São Paulo ser sede da etapa latino-americana do circuito Grand Prix, a pista sofreu o desgaste natural pelo excesso de uso. Se São Paulo quiser abrigar novamente a competição, que se transferiu para o Rio em 1996, a reforma é imprescindível. "Só com uma pista nova poderemos brigar pelas melhores competições", diz o presidente da Federação Paulista de Atletismo, José Antônio Martins Fernandes. "O tema já está sendo estudado pela Secretaria de Esportes e Turismo do Estado." Além do mau estado da pista do Conjunto Constâncio Vaz Guimarães, a única oficial de oito raias na capital, quem treina no Ibirapuera convive com barreiras ultrapassadas, blocos de saída sem a segurança necessária e a areia da caixa de saltos contaminada por urina de gato. Estes são alguns dos problemas com que se deparam os campeões pan-americanos Maurren Higa Maggi (salto em distância) e Raphael de Oliveira (4 x 100 metros), além dos atletas olímpicos Márcio Simão de Souza (110 metros com barreiras) e Cláudio Souza (100 metros rasos). "Com quase oito anos de uso contínuo, o desgaste é natural e a Secretaria de Esportes sabe da necessidade de reforma", diz o diretor do conjunto, Rafael de Guzzi Neto. "O custo da obra, porém, é muito alto e precisa entrar no orçamento da Secretaria." Guzzi reclama da falta de apoio dos atletas e dos clubes que usam a instalação esportiva. "Muitos atletas são burros e não cuidam como deveriam da pista, usando sapatilhas inadequadas", diz. "Os clubes, que não pagam nada pelo uso, nunca perguntaram se precisamos de alguma coisa. Nossas barreiras, por exemplo, precisam ser trocadas."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.