Pista seca ou molhada? O dilema na Bélgica

Previsão é de chuva hoje na hora do treino, mas ninguém sabe o que pode acontecer amanhã, na corrida

Livio Oricchio, O Estado de S.Paulo

27 de agosto de 2011 | 00h00

"É melhor acertar o carro para eventual chuva amanhã (hoje), na classificação, esperando pista molhada também na corrida, domingo (amanhã), ou sacrificar a classificação, com um acerto de asfalto seco, por apostar que não choverá na corrida?" Essa foi a questão que Michael Schumacher, da Mercedes, propôs, ontem, depois de ser o mais veloz no treino livre da manhã, e 11.º à tarde, com asfalto molhado a maior parte do tempo, típico do circuito Spa-Francorchamps.

"Quem melhor responder a esse desafio tem boa chance de vencer a prova", disse ontem, ao Estado, o diretor técnico da Mercedes, o inglês Ross Brawn. De hoje para amanhã o que mais vai preocupar pilotos e técnicos é em que apostar. "Não é algo novo em Spa", lembrou Schumacher, claramente feliz por celebrar no fim de semana 20 anos desde a sua estreia na Fórmula 1, em 1991, no mesmo autódromo onde conquistaria seis vitórias, dentre elas a primeira das impressionantes 91 na carreira, em 1992, com Benetton.

Na chuva busca-se o máximo de pressão aerodinâmica. No seco, menos, para ser mais rápido nas longas retas. Os times trabalham com a previsão de chuva para hoje, na definição do grid, como manda a tradição do GP da Bélgica, mas há incertezas sobre como deverá ser a evolução do clima. "Quando chegamos aqui a previsão era de tempo seco domingo. Mas já mudou", disse Brawn. "Não dá para garantir nada."

Apesar de, na maior parte das três horas de treinos livres, ontem, o asfalto ter estado molhado, pouco antes do fim da sessão da tarde formou uma trilha seca, a ponto de quase todos arriscarem os pneus lisos. Mas a festa durou pouco: começou a chover de novo em seguida.

Mark Webber, da Red Bull, o mais rápido, 1min50s321, ratificou o que afirmara no dia anterior. "O campeonato deve recomeçar como terminou para as miniférias, conosco, McLaren e Ferrari dividindo as vitórias até o fim do ano. Não temos mais a vantagem inicial."

A marca de Fernando Alonso, da Ferrari, ontem, segundo, reforça a impressão de Webber: apenas 140 milésimos mais lento para um traçado de 7.004 metros.

O treino de classificação do GP da Bélgica, 12.º do calendário, hoje, começa às 9 horas (de Brasília). Até agora, apenas os pilotos da Red Bull largaram na pole: Vettel, 8 vezes, e Webber, 3.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.