Siphiwe Sibeko / Reuters
Siphiwe Sibeko / Reuters

AO VIVO

Confira tudo sobre a Copa do Mundo da Rússia 24 horas por dia

Pistorius briga na cadeia na África do Sul e sofre ferimentos leves

Preso pelo assassinato da namorada, para-atleta discutiu pelo uso do telefone público

Estadão Conteúdo

12 Dezembro 2017 | 11h46

O astro paralímpico Oscar Pistorius, que está preso pelo assassinato da sua namorada, ficou ferido em uma briga com outro detido pelo uso do telefone público, confirmou nesta terça-feira um porta-voz da cadeia sul-africana onde ele está detido.

+ Corte aumenta pena de Oscar Pistorius para 13 anos

Pistorius sofreu pequenas lesões na briga no Centro Correcional de Atteridgeville, ocorrida na semana passada, revelou Singabakho Nxumalo, responsável pela assessoria de imprensa da cadeia, à agência de notícias The Associated Press. De acordo com Nxumalo, o incidente está sendo investigado. Pistorius foi examinado por um médico, que encontrou hematomas nele.

"A lesão é pequena, mas nós no departamento levamos a sério incidentes como este e queremos evitar qualquer conflito", afirmou. O desacordo estourou entre Pistorius e o outro preso, que não teve o seu nome revelado, em razão do uso do telefone público, acrescentou Nxumalo.

Pistorius, um paratleta que teve as duas pernas amputadas e competia com próteses, se tornou aclamado mundialmente com suas vitórias nos Jogos Paralímpicos - conquistou seis medalhas de ouro - e também pela participação na Olimpíada de Londres, em 2012.

Ele cumpre pena de 13 anos de prisão pelo assassinato de sua namorada, Reeva Steenkamp. Pistorius atirou em sua namorada em 2013 quando ela estava no banheiro da sua casa e alegou que achava se tratar de um ladrão que estava na sua residência.

Inicialmente, ele foi sentenciado por homicídio culposo, quando não há intenção de matar, mas a decisão foi revertida para homicídio doloso, o que provocou o aumento da pena a cumprir.

Mais conteúdo sobre:
Oscar Pistorius

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.