Pistorius falha e fala em complô

Atleta diz que federação internacional tenta impedir a sua classificação

O Estadao de S.Paulo

17 de julho de 2008 | 00h00

O sul-africano Oscar Pistorius, que não tem as duas pernas e usa próteses, falhou ontem em sua última tentativa de conquistar o índice olímpico para os 400 metros rasos. Agora, o atleta de 21 anos depende de um convite para integrar a equipe do revezamento 4 x 400 metros.No Meeting de Lucerna, na Suíça, Pistorius conseguiu fazer o melhor tempo de sua carreira, 46s25, mas ainda insuficiente para alcançar o índice olímpico, de 45s55. O sul-africano teria até domingo (20 de julho), último dia para tentativa de índices, mas já avisou que não vai participar de nenhuma prova.Após falhar ontem, Oscar Pistorius acusou a Federação Internacional de Atletismo (IAAF, sigla em inglês) de "tentar desesperadamente" impedi-lo de participar dos Jogos.Em janeiro, a entidade havia proibido que corresse na Olimpíada, mas viu seu veto ser derrubado pela Corte Arbitral do Esporte (CAS), em maio. Além de ser contra o uso das próteses, a IAAF alega que a presença de Pistorius numa prova seria um risco extra em caso de queda. "Eles dizem que não têm condições de avaliar minhas próteses a cada evento, e que eu poderia trapacear", reclamou o atleta. "Fico triste que pensem isso de mim", lamentou. "Acho que a IAAF está desesperadamente tentando impedir que alcance meus objetivos."Pistorius lembrou da vitória no CAS, em maio, e acusou a federação de tentar boicotá-lo. "Às vezes me dizem que serei bem-vindo em seus eventos, depois voltam atrás", comentou. "Mas não tenho de ficar aqui provando que estão errados", comentou. "Meu trabalho é ir para a pista e me divertir."Pistorius, que teve as pernas amputadas aos 11 meses de idade, foi banido sob o argumento de que as próteses de fibra de carbono lhe davam vantagem sobre atletas normais. A decisão do CAS vale apenas para Pistorius e o obriga a continuar usando os modelos atuais de próteses.ÚLTIMA ESPERANÇAAgora, Pistorius precisa de um convite da federação sul-africana de atletismo para compor a equipe do revezamento 4 x 400 metros. "Foi difícil conseguir um tempo melhor, porque eu só voltei às pistas há cerca de dois meses", comentou. "Agora quem decide é a federação. Sei que há mais um ou dois corredores que também têm chances, mas acho que ninguém correu os 400 metros em 46s25 até agora", comparou. A decisão sai na segunda-feira.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.