Pistorius matou namorada através da porta do banheiro, diz promotor

Segundo Gerrie Nel, a modelo Reeva Steenkamp morreu após ser atingida três vezes

DAVID DOLAN E PEROSHNI GOVENDER, Reuters

19 de fevereiro de 2013 | 09h11

PRETÓRIA - O corredor paralímpico Oscar Pistorius colocou suas próteses nas pernas e caminhou pelo quarto antes de disparar quatro tiros através da porta trancada do banheiro, matando sua namorada a sangue frio, disse a promotoria numa audiência do caso, nesta terça-feira. A modelo Reeva Steenkamp morreu após ser atingida três vezes, disse o promotor Gerrie Nel.

Pistorius chorou descontroladamente na corta enquanto Nel apontava os detalhes do crime que chocou a África do Sul e milhões de pessoas ao redor do mundo, que viram o atleta biamputado se tornar um herói nas pistas de atletismo e um símbolo da luta contra as adversidades.

O funeral de Steenkamp também aconteceu nesta terça-feira na cidade de Port Elizabeth, onde houve protestos contra Pistorius. O advogado de defesa Barry Roux contestou a acusação de assassinato, afirmando que os fatos em torno dos tiros disparados na madrugada de quinta-feira não estão claros.

"Tudo o que realmente sabemos é que ela se trancou atrás da porta do banheiro e que foi atingida por tiros", disse ele à corte lotada em Pretória. No entanto, Nel, responsável pela acusação na audiência, descreveu um quadro de homicídio premeditado - crime que pode ter como pena a prisão perpétua na África do Sul.

"Se eu pego uma arma, caminho uma certa distância e mato uma pessoa, isso é premeditado", disse. "A porta está fechada. Não há dúvida. Eu ando sete metros e mato."

"O motivo é: 'eu quero matar'. É isso", acrescentou. A prisão do velocista olímpico e paralímpico, de 26 anos, foi um choque para milhões de pessoas que viram Pistorius disputando a semifinal dos 400 metros rasos nos Jogos Olímpicos de Londres, correndo com próteses de fibra de carbono.

As primeiras informações davam conta de que Pistorius teria matada Steenkamp por engano por tê-la confundido com um invasor -- essa foi a versão que Pistorius contou a sua irmã logo após o incidente, segundo Nel.

(Reportagem adicional de Helen Nyambura, em Port Elizabeth, e Jon Herskovitz)

Tudo o que sabemos sobre:
PistoriusAtletismoParalimpíada

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.