Nilton Fukuda/AE
Nilton Fukuda/AE

PM simula combate ao terrorismo

Treinamento de atentado à bomba em hotel na zona sul de São Paulo é controlado em vinte e cinco minutos

Giuliander Carpes, O Estado de S.Paulo

23 de julho de 2011 | 00h00

O Hotel Grand Hyatt, na zona sul de São Paulo, viveu uma tarde de horror ontem. Dois hóspedes explodiram três bombas. Em meio ao fogo e a fumaça, 30 pessoas saíram feridas.

Os terroristas acabaram sendo identificados e presos por agentes do Grupo de Ações Táticas Especiais (Gate). Pelo menos 10 das vítimas, em estado grave, foram levadas para hospitais da região.

O "cenário de guerra"combina com relatos de vários casos mundo à fora. Já o Brasil não costuma enfrentar problemas com terrorismo. Mas, na iminência de receber a Copa do Mundo de 2014 e os Jogos Olímpicos de 2016, o País vira alvo.

Ontem, no entanto, não passou de simulação. O Corpo de Bombeiros e a Polícia Militar mobilizaram 81 veículos e 133 homens para fazer um treinamento com roteiro cinematográfico num dos hotéis mais luxuosos da cidade.

Em 25 minutos, o inédito incidente estava controlado e boa parte das vítimas já havia sido resgatada e atendida.

"Já simulamos queda de avião, acidente de trem e agora atentado em hotel. Sempre há uma possibilidade. Teremos pessoas do mundo inteiro aqui e pode haver um ataque terrorista", disse Luiz Humberto Navarro, comandante do Corpo de Bombeiros.

Uma hora depois da primeira bomba, os "terroristas" foram colocados dentro de uma viatura e levados para a delegacia.

"O hotel ficou 100% vazio, como se fosse uma situação real. O Grand Hyatt recebe boa parte dos vips de São Paulo e nós fizemos um treinamento para casos como o que ocorreu infelizmente hoje (ontem) na Noruega", afirmou o coronel.

Houve explosões no subsolo do hotel, num jipe estacionado em frente e na suíte presidencial, no 22.º andar do prédio de 370 quartos - 65% ocupados ontem. Dois helicópteros foram envolvidos na operação, além de carros de bombeiros equipados com escadas Magirus.

Novas simulações devem ocorrer nos próximos meses. "O treinamento tem a finalidade de dar adrenalina para o nosso pessoal para que ele pense como se estivesse numa situação real."

Real foi o transtorno de Adriano de Souza, 31 anos, advogado. Ele passava a noite de núpcias no hotel. Não conseguiu sair antes do fim da ação. "Os bombeiros fecharam a rua um pouco antes do previsto. Dei azar."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.