Polêmica faz FPF manter mistério sobre semifinais

A Federação Paulista de Futebol (FPF) tem uma bomba-relógio para desarmar. A rivalidade entre os principais clubes do Estado está acentuada. Têm sido frequentes os bate-bocas entre cartolas e as confusões entre torcedores. Como a tendência é a de que Palmeiras, Corinthians, São Paulo, Santos ou Portuguesa avancem às semifinais, a entidade voltou a afirmar que fará prevalecer o regulamento. Isso significa que será sua responsabilidade escolher os locais das fases finais."A FPF detém o mando dos jogos. Como é de praxe, vamos ouvir todos os envolvidos. Mas a decisão será nossa", afirmou o coronel Marcos Marinho, responsável pelos departamentos de prevenção à violência e de arbitragem. Aliás, coube ao diretor comentar sobre a briga no Pacaembu e os preparativos para as semifinais. Procurado pelo Estado para falar sobre o assunto, o presidente em exercício, Reinaldo Carneiro Bastos, se limitou a informar, via assessoria de imprensa, que não iria se pronunciar. A situação ficou mais delicada após os incidentes de domingo, no fim do clássico entre Corinthians e Santos. Além disso, os dirigentes dos grandes clubes afirmam que querem jogar as partidas que, em teoria, são mandantes, nos seus respectivos estádios. Para esfriar o clima, Marinho diz que haverá uma reunião antes do início da semifinal, em 11 de abril. "Todos assuntos - como escolha de estádio, distribuição de ingressos e medidas de segurança - serão discutidos."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.