Ricardo Bufolin/Divulgação
Ricardo Bufolin/Divulgação

Polícia Civil cumpre mandado de busca e apreensão na casa dos pais do ex-treinador da seleção

Policiais apreenderam Cds, DVDs, pen drives, HD externo e 1 fita cassete

O Estado de S.Paulo

04 Maio 2018 | 23h20

A Polícia Civil cumpriu nesta sexta-feira, 04, um mandado de busca e apreensão na casa dos pais de Fernando de Carvalho Lopes, ex-técnico da seleção brasileira masculina de ginástica artística investigado pelo do Ministério Público Estadual de São Paulo por supostos abusos sexuais cometidos contra meninos, menores de idade, durante os últimos anos.

+ Ex-técnico da seleção de ginástica artística é acusado de assediar atletas

De acordo com a reportagem do globoesporte.com, os policiais chegaram na casa, localizada em São Bernardo do Campo, com três carros por volta das 17h e permaneceram na residência por 1h30. A operação foi acompanhada pelo ex-técnico, que estava ao lado da mãe e da irmã.

Sem falar com a imprensa, os policiais e a delegada responsável pelo caso, Teresa Alves de Mesquita Gurian, deixaram a casa depois de apreender Cds, DVDs, pen drives, HD externo e 1 fita cassete. 

O caso já conta com o depoimento de 22 pessoas, sendo o mais recente de Diego Hypolito. Fernando de Carvalho Lopes deve ser a última pessoa a prestar depoimento antes da conclusão da investigação.

Como o processo, aberto em 2016 após denúncia de um atleta menor de idade, corre em segredo de Justiça, a delegada da operação disse que não poderia revelar ao Estado quando pretende ouvir o ex-treinador, mas deixou claro que nem ele nem outros personagens citados na história estiveram na delegacia até agora. Entre eles, o coordenador técnico da seleção, Marcos Goto, e a psicóloga Thais Coppini, que trabalhava com atletas no Mesc (Movimento da Expansão Social Católica), clube particular de São Bernardo onde Fernando fez carreira e, segundo as vítimas, teriam ocorrido os abuso relatados na reportagem do programa Fantástico que foi ao ar no último domingo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.