Divulgação/OnboardSports
Divulgação/OnboardSports

Polo Aquático do Brasil derrota o Canadá e garante vaga para a disputa do Mundial

Seleção masculina triunfa por 15 a 5 na semifinal da Copa Uana; os Estados Unidos ficaram com a outra vaga

Redação, Estadão Conteúdo

26 de janeiro de 2019 | 11h29

A seleção brasileira de polo aquático conquistou, neste sábado, a vaga para disputar o Mundial de Desportes Aquáticos de 2019, que será em Gwangju, na Coreia do Sul, em julho. A classificação foi garantida na primeira semifinal da Copa UANA, competição disputada no SESI em São Paulo e que reúne quatro países: Argentina, Brasil, Canadá e Estados Unidos. Os norte-americanos, aliás, ficaram com a outra vaga para o Mundial.

O Brasil venceu o Canadá por 15 a 5, placar bem diferente do primeiro jogo entre as equipes, na primeira fase, quando o Brasil foi derrotado por 15 a 12. Na outra partida da semi, Estados Unidos venceu a Argentina e fará a decisão com os brasileiros.

"Foi um jogo muito bom, conseguimos imprimir nosso ritmo. A nossa defesa funcionou aquilo que não vinha funcionando, e aí ficou mais fácil para vencer", disse atacante Gustavo "Grummy" Guimarães, autor de dois gols na partida. Ele soma 12 no torneio.

André Avallone, técnico do Brasil, considerou a vitória como um primeiro passo rumo à Tóquio-2020. "Foi um jogo sensacional, trabalhamos bastante para conseguir essa classificação Esse é um grande passo rumo ao Pan-Americano e nossa sonhada vaga olímpica."

Com ótima atuação do goleiro Slobodan Soro, o Brasil tomou conta do placar desde o início e terminou o primeiro quarto vencendo por 4 a 1. Na parcial seguinte, o Brasil manteve a vantagem e encerrou ganhando por 6 a 3. No terceiro quarto, com uma atuação defensiva perfeita, o Brasil abriu 11 a 3 e no último quarto controlou o jogo para vencer por 15 a 5 e carimbar sua vaga.

“Estou muito satisfeito com o trabalho da equipe. De dois jogos para cá, conseguimos acertar nossa defesa. Somente neste jogo, foram 13 bloqueios de ataques dos canadenses. Gostei do trabalho do treinador, dos jogadores e da comissão técnica. Estamos evoluindo pouco a pouco. Lembrando sempre que nosso foco é a longo prazo. Se estivermos em 2020, será ótimo, mas vejo potencial para essa equipe estar bem na Olimpíada de 2024 e de 2028”, disse Ricardo Azevedo, coordenador de seleções da CBDA.

No feminino, o Brasil acabou sendo superado por Cuba na sexta-feira e ficou fora do Mundial. As cubanas garantiram a vaga, assim como a seleção do Canadá.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.