Satiro Sodré/SSPress/CBDA
Satiro Sodré/SSPress/CBDA

Polo aquático feminino do Brasil perde do Canadá e disputará 13º lugar no Mundial

Com três derrotas - as outras foram para Itália e China -, equipe fecha o Grupo A na quarta colocação

Estadao Conteudo

20 de julho de 2017 | 17h34

A seleção brasileira feminina de polo aquático foi derrotada pelo Canadá por 16 a 6, nesta quinta-feira, e terá de disputar um torneio de consolação no Mundial de Esportes Aquáticos, que está sendo realizado em Budapeste, na Hungria. Com três derrotas - as outras foram para Itália e China -, o Brasil fechou o Grupo A na quarta colocação e jogará agora pelo 13.º lugar na competição.

Neste sábado, a equipe comandada pelo técnico Duda Abla jogará contra a África do Sul, que terminou a fase de classificação na quarta colocação do Grupo B. O jogo será às 5h30 (de Brasília). Se vencer, disputará o 13.º lugar no domingo. Em caso de derrota, jogará pela 15.ª posição do Mundial.

O treinador brasileiro analisou o desempenho do time nestes três primeiros compromissos sob seu comando. "Esses são os primeiros três jogos que faço com elas, então não conseguimos analisar. Por enquanto, estamos na fase de conhecimento. O time está fazendo o que eu estou pedindo, se mantendo ofensivo. Mas na defesa vejo que fica muito falho. Diferente do que encontramos nas equipes adversárias", analisou Duda Abla.

No início do jogo contra as atuais vice-campeãs da Liga Mundial, as boas defesas de Victoria Chamorro não impediram a vitória canadense por 4 a 2 no primeiro período. Para o Brasil, Melani Dias e Diana Abla fizeram os gols. Depois, no segundo quarto, Mariana Duarte e Samantha Ferreira marcaram, mas o Brasil perdeu novamente por 4 a 2, indo para o intervalo em desvantagem de 8 a 4.

Samantha Ferreira, em sua primeira competição mundial, registrou o seu primeiro gol. "Esta é a primeira vez que eu jogo no adulto, meu primeiro gol, estou muito feliz, estou realizando um sonho... É inexplicável. O Duda (Abla) está me ajudando muito e estou aprendendo coisas que eu nem sabia que seria capaz. Eu quero jogar bem, ajudar a equipe mais e mais para continuar no adulto. Todas me acolheram muito bem", comentou a artilheira do Brasil no jogo, com três gols.

Na volta do intervalo, a seleção do Canadá jogou mais intensidade e aumentou a diferença no placar, indo para o período final com a vantagem de 12 a 5. No último quarto, a defesa brasileira não acertou a marcação e as canadenses marcaram mais quatro vezes sem qualquer dificuldade.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.