Pólo aquático garante a prata e acha que já cumpriu sua missão

O polo aquático do Brasil viveusua noite de glória nesta quarta-feira ao derrotar a equipe doCanadá por 10 a 6, garantindo um lugar na final dos JogosPan-Americanos e a medalha de prata. Empurrados por uma torcida barulhenta e inédita no esporte,os jogadores do Brasil deixaram a piscina do complexo JúlioDelamare, no Maracanã, com o bordão de "missão cumprida." "Nosso plano era chegar na final. Aqui estamos. O timeacreditou desde o começo, e a torcida foi de outro planeta",disse o jogador Leandro Machado. "Amanhã tem mais", gritou para a torcida o artilheiro dotime Felipe Franco, três gols, comemorando com a galera avitória mais importante do esporte e prevendo muita luta nafinal. Poucas vezes se viu uma medalha de prata tão festejada nosJogos Pan-Americanos. Poucos minutos antes do jogo acabar,quando a vitória do Brasil era irreversível, membros dacomissão técnica brasileira começaram a se abraçar com cara dechoro. Ao apito final, muitos deles não resistiram em cair napiscina para abraçar os jogadores. O jogo foi equilibradíssimo até o último quarto da partida.Os dois times estavam empatados em 6 gols. Na hora da decisão,porém, o Canadá sentiu o peso da torcida na opinião de seutécnico e de seus jogadores e o Brasil sentiu um empurrão dagalera. Foram quatro gols brasileiros e várias chances perdidasdos adversários. "Hoje eu peguei tudo", disse o goleiro brasileiro AndréCordeiro, o Pará, veterano da equipe e considerado por todos osseus colegas como o homem do jogo. "O pessoal das estatísticas trabalhou redondo. Hoje a gentesabia tudo deles. Sabia onde eles chutam (no pólo aquáticoapesar de a bola ser arremessada com as mãos as pessoas doesporte usam o verbo chutar), como eles se defendem, como elesatacam, tudo", disse o auxiliar técnico Paulo Roberto lembrandoque o Canadá é um velho freguês do Brasil em Pan-Americanos,embora tenha um time de maior sucesso em Olimpíadas, na LigaMundial e no Campeonato Mundial. Para o técnico brasileiro, Bárbaro Dias, o time precisadescansar uma noite antes de pensar no seu próximo rival. Todosna seleção brasileira acham que será os Estados Unidos,considerado superior. Quase todos acham que o Brasil já cumpriusua missão no Pólo Aquático do Pan 2007 mas o técnico ainda vêuma final aberta. "É muito difícil ganhar dos Estados Unidos mas não estoufalando que vai ser impossível. Vamos tentar", disse Bárbaro."Quero me despedir daqui com uma medalha de ouro", acrescentouo goleiro Pará, planejando sua aposentadoria. Ambos acham que a torcida terá que jogar junto e o Brasilfazer uma das melhores partidas de todos os tempos. O técnicoacha também que vai precisar de uma mão superior no time.Trata-se da mesma força que ele identificou inspirando o timena semifinal. "Escreva aí que hoje nós contamos com muita ajuda de NossoSenhor Jesus", disse ele, convocando as forças divinas paraajudar o time na hora decisiva.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.