Popó festeja e ironiza Casamayor

O campeão dos superpenas Acelino Popó Freitas desembarcou na capital baiana na tarde de hoje debochando do seu provável próximo adversário, o cubano Joel Casamayor que tenta uma revanche desde que o pugilista baiano lhe tirou o cinturão da Associação Mundial de Boxe (AMB). "A minha preocupação maior com ele são as cabeçadas e se Casamayor vier bêbado, melhor ainda", provocou. Comandado pela mãe de Popó, dona Zuleica Freitas, um grupo de amigos e parentes recepcionou o campeão no aeroporto, mas a festa contagiou os passageiros que desembarcavam no momento. Muitos davam vivas a Popó que foi conduzido em meio a uma grande algazarra até o seu carro pelo grupo de pagode do irmão, Tony Freitas. Popó reclamou da dureza que foi a preparação da luta contra o mexicano Juan Carlos Ramirez, principalmente a fase final. "Atrapalhou um pouco porque não gosto de ficar muito em hotel e fez muito frio (em Chicago); estava a 15 graus abaixo de zero, nunca vi tanto frio em minha vida, então acho que tudo foi difícil por isso". O campeão reclamou também da contagem, segundo ele injusta, que o árbitro abriu no segundo assalto, quando ele caiu. "Eu levei um empurrão", reafirmou. Embora a revanche com Casamayor em junho ou julho seja a opção mais provável na carreira de Popó, ele garante que pretende enfrentar Floyd Mayweather Junior, campeão dos leves pelo Conselho Mundial de Boxe (CMB). No entanto, até o momento não houve qualquer manifestação da parte dos empresários do pugilista americano. "Acho que ele não tem interesse na luta", supõe o advogado e organizador dos combates internacionais de Popó, Antonio Garrido, informando que, ao contrário, o staff de Casamayor já o procurou para tentar marcar a revanche. "Temos até abril para decidir", revelou. Abril é exatamente quando Popó recomeça os treinamentos para a próxima luta. Até lá, vai se entregar aos prazeres da culinária baiana e às homenagens. A assessoria do lutador revelou que até hoje pelo menos dez programas de televisão haviam convidado Popó para entrevistas. Do aeroporto Popó seguiu para sua casa no Condomínio Encontro das Águas para descansar. À noite iria para a casa de dona Zuleica, na Ladeira do Jacaré, Bairro Baixa de Quintas, para comer a famosa feijoada da mãe. Os amigos estavam tentando contratar um trio elétrico para comemorar mais uma vitória do campeão na Baixa de Quintas, onde Popó nasceu e cresceu.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.