Popó: luta contra cubano é adiada

A luta pela unificação do título dos superpenas entre o baiano Acelino Popó de Freitas (campeão pela versão Organização Mundial de Boxe) e o cubano Joel Casamayor (Associação Mundial de Boxe) não vai mais ocorrer no dia 14 de julho. A desistência de Popó de enfrentar o húngaro Lazlo Bognar no mês passado além de problemas contratuais com uma das empresas que promoveriam a luta da unificação e uma rede de televisão americana, teriam sido o motivo para o adiamento, apresentado pelo empresário mexicano Ricardo Maldonado, que gerencia a carreira internacional do baiano. Maldonado esteve na capital baiana hoje para comunicar a nova data da unificação, 25 de agosto. No entanto, a luta pode não ocorrer pois Maldonado quer que Popó assine um novo contrato onde ele se compromete a enfrentar Casamayor, mais sete adversários. "Se ele (Popó) não concordar infelizmente não haverá mais a luta pela unificação", informou Maldonado sem revelar o valor do novo contrato proposto. "É uma cifra milonária", disse apenas, lembrando que teve "muito prejuízo" com o cancelamento da luta de Popó contra o húngaro Bognar. A Oficina de Idéias, que empresaria Popó junto com o seu treinador Luiz Dórea ficaram de analisar a proposta de Maldonado e dar uma resposta no mais breve espaço de tempo possível. Dórea antecipou que a princípio Popó gostou da proposta. Contudo, desde a briga e o reatamento com os empresários em abril, por causa do relacionamento com a mulher Eliane Guimarães, amigos se dizem preocupados com o futuro da carreira do pugilista. Eles esperam que após o casamento que ocorreu no dia 24 de maio, Popó se estabilize emocionalmente, mas não escondem a preocupação de que isso não ocorra.

Agencia Estado,

08 de junho de 2001 | 15h26

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.