Popó procura patrocinador para fazer sua luta no Brasil

Acelino Popó Freitas aguarda autorização de seu empresário Arthur Pelullo para negociar com patrocinadores e trazer a luta contra o cubano Joel Casamayor para o Brasil - o combate pelo título mundial dos leves, versão Conselho Mundial de Boxe, ainda não foi confirmado oficialmente, mas seria em março ou abril. O brasileiro calcula precisar de uma verba de US$ 1 milhão, já que as bolsas dos pugilistas seriam pagas pelo canal HBO, dono dos direitos de transmissão.?Sei que é difícil, mas vamos conversar com o governo, algumas prefeituras e empresários?, disse Popó, que já foi quatro vezes campeão mundial e desistiu da aposentadoria para poder enfrentar Casamayor pelo título. Ele, inclusive, voltou aos treinos na última segunda-feira.Salvador, São Paulo e Rio são as capitais candidatas a ser sede do combate. Se em um prazo de um mês Popó não conseguir o dinheiro, Pelullo vai levar o combate para os Estados Unidos, onde Mashantucket, Miami e Las Vegas são os lugares preferidos. ?Com o dinheiro dos cassinos fica mais fácil?, afirmou Popó.O brasileiro não luta desde 29 de abril, quando derrotou o norte-americano Zahir Raheem, por pontos, e ficou com o cinturão dos leves da Organização Mundial de Boxe.Popó já enfrentou Casamayor. Foi em janeiro de 2002, pela categoria dos superpenas. O brasileiro venceu o cubano por pontos e unificou os cinturões da Organização Mundial e da Associação Mundial de Boxe.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.