Popó promete nocautear Casamayor

Depois de três dias desaparecido, o pugilista Acelino Popó Freitas, campeão mundial dos superpenas na versão Organização Mundial de Boxe (OMB) reapareceu hoje, bem-humorado, mas ainda um pouco confuso, sem explicar ao certo os motivos que o levaram a desistir da luta de sábado em Las Vegas, quando iria colocar seu cinturão em jogo diante de um lutador húngaro.Popó passou os últimos na Ilha de Itaparica e ontem viajou para o Rio de Janeiro, onde se encontrou com a noiva Eliane Guimarães. O rompimento com ela teria abalado o campeão, mas ele disse haver uma "acumulação de problemas pessoais, envolvendo contratos, a minha família que depende de mim e tudo estourou". Há um mês Popó desentendeu-se com o amigo e treinador Luíz Dórea e a empresa Oficina de Idéias, que gerencia sua carreira e rompeu o contrato achando que ganhava pouco. Teria sido alertado pela noiva Eliane. Logo depois, o lutador se reconciliou com Dórea e assinou um novo contrato com a Oficina de Idéias, ganhando um percentual maior nas bolsas das lutas (50%). O episódio provocou o rompimento com a noiva."Vocês pensam que lutar é fácil: os meus neurônios estão todos mortos de tanta porrada na cabeça", brincou. Popó afastou a possibilidade de ter o título de campeão cassado pela OMB. "A defesa do cinturão no sábado era optativa, não obrigatória", esclareceu, informando que a partir de agora vai continuar seu treinamento duro para enfrentar o cubano Joel Casamayor, campeão dos superpenas da Associação Mundial de Boxe, em 14 de julho. "É a luta da minha vida, pela unificação do título mundial e quero que seja rápida com as outras", disse em tom de desafio, prevendo: "Será o meu 16º nocaute no primeiro assalto".Organizada pelo empresário mexicano Ricardo Maldonado, a rodada de sábado em Las Vegas seria uma grande promoção para a luta de unificação. Casamayor fará a luta principal da noite e Popó lutaria um pouco antes com o húngaro Lazlo Bognar.Cauteloso com as conseqüências da desistência de Popó, seu treinador Luiz Dórea disse que vai sentar com pupilo para tentar ajudá-lo a superar seus problemas psicológicos. "O mais importante é a saúde dele; a OMB entrou com uma advertência (por causa do cancelamento da luta de sábado) e vamos mostrar o que aconteceu da mesma forma que explicaremos aos promotores da luta", disse. Sem querer opinar sobre a desistência, Dórea assinalou que Popó fez o que achou certo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.