Por doping, Armstrong perderá títulos da Volta da França

O norte-americano Lance Armstrong, considerado um dos maiores ciclistas de todos os tempos, anunciou que desistiu de tentar lutar contra as acusações de uso de doping feitas contra ele há mais de uma década. E pouco depois do anúncio realizado por meio de um comunicado oficial distribuído na noite desta quinta-feira, a Agência Antidoping dos Estados Unidos (Usada, na sigla em inglês) informou que o atleta de 40 anos de idade perderá seus sete títulos da Volta da França e será expulso do ciclismo.

AE-AP, Agência Estado

24 de agosto de 2012 | 09h09

Armstrong sempre alegou ser inocente, mas acabou desistindo de provar a sua inocência após um tribunal federal norte-americano ter negado, no último dia 13, o recurso que ele apresentou contra a Usada para bloquear o processo disciplinar ao qual era submetido.

Desta forma, a Usada informou que o ciclista terá todos os seus resultados obtidos a partir do dia 1.º de agosto de 1998 anulados. Considerado uma lenda do seu esporte, o norte-americano ganhou a Volta da França, mais tradicional prova do ciclismo, de forma seguida entre 1999 e 2005. Além disso, foi medalhista de bronze na Olimpíada de Sydney, em 2000, e teve uma série de outros títulos em sua carreira.

Ao anunciar que desistiu de lutar contra as acusações de doping, Armstrong disse: "Chega um momento na vida de qualquer homem em que ele tem que dizer ''é suficiente''. Para mim, a hora de dizer isso é agora". Ele ainda chamou a investigação da Usada contra ele de uma "inconstitucional caça às bruxas".

"Tenho lidado com alegações de que eu me dopei e tive uma vantagem injusta ao ganhar meus sete títulos da Volta da França desde 1999. O custo disso está pesando sobre minha família e meu trabalho para nossa fundação e me leva a dizer: ''Terminei com as bobagens''", ressaltou o ciclista.

De qualquer forma, ao desistir de lutar contra o doping, Armstrong deixou a sua reputação como atleta ainda mais abalada e em xeque, apesar de ter justificado que tomou esta decisão por não mais suportar o peso das acusações contra ele.

John Fahey, presidente da Agência Mundial Antigoping (Wada, na sigla em inglês), afirmou nesta sexta-feira que a Usada agiu corretamente em relação a Armstrong e "agora tem o direito de aplicar uma sanção que será reconhecida pelo código da Wada em todos os países do mundo".

Travis Tygart, diretor-executivo da Usada, lamentou o fato de que Armstrong terá seus grandes feitos no esporte anulados por uso de doping. "É um dia triste para todos os que amam o esporte e para os nossos heróis esportivos. Este é um exemplo doloroso de como a cultura de vencer a todo custo nos esportes, se não for reprimida, superará a competição leal, segura e honesta", ressaltou.

Em seguida, o dirigente enfatizou: "Para os atletas limpos, esta será uma lembrança reconfortante de que há esperança para as gerações futuras de competição em igualdade de condições sem o uso de substâncias proibidas".

Armstrong é acusado de usar EPO, o hormônio chamado de eritropoietina que costuma ser usado por esportistas para melhorar seu desempenho em competições, além de esteroides e transfusões de sangue como doping.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.