Ernesto Rodrigues
Ernesto Rodrigues

Por final inédita de Libertadores, Corinthians sonha com a história

Time está a um empate diante do Santos para chegar pela primeira vez à final da competição

Fábio Hecico, O Estado de S.Paulo

20 de junho de 2012 | 03h06

Corinthians e Santos disputam hoje um clássico de parar a cidade. Não se trata de mais um confronto entre os dois gigantes do futebol paulista. Está em jogo uma vaga à final da Copa Libertadores - desde 2005 o Brasil tem um representante na decisão da competição continental. Vale muito. Até por isso, a partir de 21h50, o Pacaembu vai ficar lotado - todos os 35 mil ingressos foram vendidos.

É noite para fazer história. Ao Corinthians, invicto e sem sofrer gols em casa, basta um empate, após 1 a 0 na Vila Belmiro, para chegar à final pela primeira vez em 102 anos de vida. Missão fácil nos números, mas bem complicada por estar, do outro lado, o melhor ataque da Libertadores 2012 e o gênio da bola Neymar. O Santos, com a obrigação de obter uma vitória simples - 1 a 0 vai para os pênaltis - joga para defender o título de 2011 e acalentar o sonho da quarta Libertadores em100 anos de fundação.

Muricy Ramalho aposta em Borges, Alan Kardec e Neymar, contra o seguro e eficaz sistema defensivo corintiano, com o líder Chicão e o lateral Fábio Santos confirmados (se recuperaram de lesões). Tite, ao contrário do que muitos acreditam, vem com a promessa de não jogar apenas para se defender.

Calejado e ciente de que quem joga para empatar normalmente perde, o treinador corintianos aposta em postura forte na marcação, mas com saídas rápidas para o ataque. Willian, substituto de Emerson, suspenso, e Jorge Henrique têm a missão de conduzir o time à frente com velocidade, com auxílio de Danilo, Alex e Paulinho pelo meio.

A ordem é aproveitar o combustível da torcida, que promete mais uma vez inflamar o Pacaembu, para não deixar o Santos tomar conta das ações.

A posse de bola e o domínio territorial terão de ser corintiano, de acordo com Tite. O treinador, ao mesmo tempo que exige postura agressiva de sua equipe, também pede capricho no lugar da pressa na hora de atacar. Nada de chegar rápido no ataque e devolver a bola ao inimigo. Exemplos de que a vantagem por 1 a 0 é perigosa foram passados aos jogadores e a ordem é iniciar a partida como se estivesse partindo do zero.

"Não existe esse negócio de regulamento debaixo do braço. Na nossa casa temos de mostrar quem manda, repetindo as atuações que já tivemos até aqui", frisa o volante Paulinho, já orientado e não sair tanto para ajudar a frear o abafa que os santistas prometem com a escalação do trio ofensivo.   

CORINTHIANS x SANTOS

CORINTHIANS Cássio; Alessandro, Chicão, Leandro Castán e Fábio Santos; Ralf, Paulinho, Danilo e Alex; Willian e Jorge Henrique Técnico: Tite

SANTOS Rafael; Henrique, Edu Dracena, Durval e Juan; Adriano, Arouca e Paulinho; Neymar, Borges e Alan Kardec Técnico: Muricy Ramalho

Horário: 21h50

Árbritro: Leandro Vuaden (RS)

Local: Pacaembu

TV: Globo e FoxSports

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.