Cinara Piccolo/PhotoeGrafia
Cinara Piccolo/PhotoeGrafia

Por vaga no Mundial de handebol, seleção feminina pega Uruguai

Brasil está invicto no Pan-Americano com quatro vitórias

Estadão Conteúdo

23 de junho de 2017 | 21h14

Invicta com quatro tranquilas vitórias na fase de grupos - contra Estados Unidos, Colômbia, Paraguai e Porto Rico -, a seleção brasileira de handebol feminino entra em quadra neste sábado, às 16 horas (de Brasília), para enfrentar o Uruguai, pela semifinal do Pan-Americano da modalidade, que está sendo realizado em Buenos Aires, na Argentina. Mais do que a vaga na decisão, o jogo vale um lugar no Mundial da Alemanha, que será em dezembro deste ano.

O torneio continental dá aos três melhores países vagas no Mundial - a outra semifinal será entre Argentina e Paraguai. O treinador interino do Brasil, Sérgio Graciano, espera por um confronto complicado e já está preparado para enfrentar um adversário que tem um grupo entrosado. "É um time bem organizado, que treina junto há muito tempo. E, somado a isso, destaco o reforço que o Uruguai ganhou com uma jogadora que está na Espanha desde os 14 anos e agora foi descoberta. É boa chutadora e boa dribladora", disse.

Pensando nas principais qualidades das uruguaias, o técnico sabe quais as armas que a seleção brasileira precisará usar. "Elas têm muitas variações defensivas (6-0 e 3-3) e são muito eficientes nisso. Precisamos saber como sair desse tipo de marcação, trabalhar coletivamente, com mais amplitude. E se elas vierem com uma defesa mais alta, temos que saber trabalhar bem sem a bola", comentou.

Sérgio Graciano também destacou o ponto forte do Brasil e o significado que esse troféu terá. "Hoje temos mais marcadoras centrais do que tínhamos até o ano passado, de três para pelo menos seis. É uma equipe renovada e que terá no título um passo importante na consolidação desse início de trabalho", completou.

Tudo o que sabemos sobre:
handebol

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.