Portuguesa segura o Corinthians

Diante de pouco mais de 31 mil torcedores no Pacaembu, Lusa joga bem, sai na frente e cede empate ao time de Tite

DANIEL BATISTA, O Estado de S.Paulo

22 de julho de 2012 | 03h02

Douglas veste a camisa 15, mas parece que resolveu assumir a responsabilidade de um camisa 10 e a cada jogo comprova que a demora para dar certo em seu retorno ao Corinthians não foi em vão. O meia foi o maestro e autor do gol do empate em 1 a 1 com a Portuguesa, no Pacaembu, em um jogo que sua equipe só não levou os três pontos por não conseguir reverter totalmente um primeiro tempo muito ruim.

A expectativa estava em cima do duelo entre o ídolo Dida e o fã Cássio. Antes do jogo, o corintiano admitiu ter o lusitano como referência e a idolatria era existente também nas arquibancadas. Quando Dida foi se aquecer antes da partida, o estádio em peso gritou seu nome. Frio, como sempre, ele acenou e agradeceu aos elogios do rival, que não esqueceu tudo que ele fez quando vestiu a camisa alvinegra.

A grande disputa mesmo ficou entre Tite e Geninho. O treinador da Lusa decidiu abdicar do 3-5-2 e voltou ao 4-4-2 com o intuito de congestionar o meio de campo e dificultar o toque de bola corintiano. Tite tentou responder ainda no primeiro tempo mexendo bastante no posicionamento dos meias. Edenilson e Romarinho trocavam de lado pelas pontas para tentar criar espaço, mas as coisas não deram muito certo.

A Portuguesa foi melhor durante todo o primeiro tempo. Com toques de bola rápidos e consistentes, justamente como o Corinthians fez nos últimos jogos, o time rubro-verde jogou como quis e deu muito trabalho para Cássio, que precisou fazer duas boas defesas e mostrou que realmente aprendeu com o professor Dida.

Mas aos 29, não teve jeito. Guilherme, que quase foi parar no Corinthians, começou a jogada que terminou com Moisés dando um passe na medida para Héverton, que bateu sem chances para Cássio. O gol acordou o Corinthians e fez a Portuguesa ficar ainda mais preocupada com a marcação. Tanto que o perigo oferecido à meta de Dida no primeiro tempo se resultou em um chute de Ralf defendido pelo experiente goleiro.

No intervalo, Tite resolveu tirar Edenilson e colocar Jorge Henrique para aumentar seu poderio ofensivo, inexistente na primeira etapa, e mudou o jogo.

Nova postura. Aquele perdido Corinthians ficou no vestiário e voltou um time muito mais ligado. Jorge Henrique ficou em um lado, Romarinho do outro e Emerson pelo meio, o que acabou com o esquema luso.

O segundo tempo foi do Corinthians e o gol não demorou a aparecer. Aos 5, Douglas cobrou falta, Jorge Henrique tentou desviar, mas enganou Dida e a bola foi direta para o gol. Na comemoração, os jogadores foram abraçá-lo o que mostrou o quanto o grupo sabe de sua importância ao time. E ele ainda acertou a bola na trave, aos 36. A má notícia: Douglas recebeu cartão amarelo e está suspenso para o confronto contra o Cruzeiro, quarta-feira.

Mas a Portuguesa é uma pedra no sapato dos rivais paulistas no Brasileiro. Venceu o São Paulo e empatou com Santos e Palmeiras. Por isso, não facilitaria a vida do Corinthians. E com o passar do tempo, tentou se aventurar ao ataque, mas aí brilhou a estrela de Cássio, que fez uma grande defesa em chute de Guilherme e garantiu a igualdade do placar.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.