Arquivo/AE
Arquivo/AE

Powell quer corrigir problemas para retomar recorde mundial

Atleta jamaicano sonha em superar o compatriota Usain Bolt e ser novamente o homem mais rápido do mundo

EFE,

25 de março de 2009 | 17h34

O jamaicano Asafa Powell, ex-recordista mundial dos 100 metros rasos, prova mais tradicional do atletismo no planeta, quer corrigir problemas para voltar a ser o homem mais rápido do mundo.

O atleta, que chegou à marca de 9s74 em setembro de 2007, viu a evolução de seu compatriota Usain Bolt, que levou três ouros nos Jogos de Pequim e, de quebra, ainda estabeleceu novas marcas nos 100 e 200 metros rasos - além do revezamento 4x100 metros.

"Espero que Asafa seja capaz de correr muito bem para bater o recorde mundial. Acho que este ano ele vai conseguir", comentou seu treinador, Steve Francis.

O próprio técnico de Bolt, Glenn Mills, também está convencido das qualidades de Powell. "É um velocista muito bom, que provavelmente passará à história como um dos mais técnicos na pista".

O decepcionante quinto lugar de Powell na final dos 100 metros nos Jogos de Pequim fez com que ele trabalhasse muito para melhorar e voltar a ter o desempenho que o levou a ter sete das 12 melhores marcas da prova em toda a história.

Com uma longa série de fracassos em grandes competições (foi quarto nos Jogos de Atenas, em 2004, e terceiro no Mundial de Osaka, em 2007), Powell está convencido de que este ano vai ser diferente.

Recém-chegado de um período de treinos e competições na Austrália, Powell vem melhorando a técnica, seu ponto forte, e trabalha para ganhar concentração, uma de suas grandes fraquezas.

Em Sydney, ele melhorou sua marca pessoal nos 400 metros ao fazer 45s94 (Bolt conseguiu 45s54), mas sua estreia nos 100 metros, em Melbourne, foi decepcionante: acabou em 10s23, com forte vento contra.

Mais conteúdo sobre:
Asafa PowellatletismoUsain Bolt

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.