''Praga'' do bode atordoa a equipe desde 1945

O beisebol é um esporte com muitas superstições, muito mais do que o nosso futebol. Não surpreende que os torcedores dos Chicago Cubs creditem a uma maldição o jejum de cem anos. Depois do bicampeonato de 1907/08, os Cubs chegariam a outras World Series, sempre sendo derrotados. No entanto, desde 1945 o time não consegue sequer chegar à final e reza a lenda que tudo se deve a um bode. Isso mesmo, um bode.William "Billy Goat" Sianis tinha dois ingressos para o jogo 4 da série mundial daquele ano, entre Chicago e os Detroit Tigers. O problema é que a segunda entrada era para seu bode de estimação. Depois de muita discussão, Billy e seu bode puderam entrar no estádio. Mas eis que cai uma chuva e o inusitado animal começa a exalar um odor insuportável. Forçado a se retirar do local no meio do jogo, o revoltado Billy lançou uma maldição sobre o próprio time, profetizando que os Cubs jamais voltariam a uma World Series. Dito e feito. Assim, a cada fracasso da equipe, novas histórias vão renovando o mito. A mais interessante delas foi registrada em 2003. O Chicago Cubs liderava o jogo decisivo contra o Florida Marlins por 3 a 0, na oitava entrada (ou aos 40 minutos do segundo tempo, para ficar em linguagem futebolística), jogando em casa. A vitória os levaria de volta a World Series.Quando a festa começava a espalhar-se pela torcida, surgiu o inesperado. Um rebatedor dos Marlins acerta a bola e a manda bastante alto. A bola vai em direção às arquibancadas. Steve Bartman, torcedor dos Cubs, estica o braço e pega a bolinha, atrapalhando um defensor de seu time, que parecia em posição de fazer a eliminação.O destrambelhado rapaz que pegou a bola precisou ser escoltado pela polícia para fora do estádio para não ser linchado, tal a agressividade dos demais inconformados torcedores. Assim que o jogo é reiniciado, o interbases dos Cubs comete erro crucial e os adversários marcam oito pontos, vencendo a partida e, posteriormente, tornando-se os campeões.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.