João Linck/Divulgação
João Linck/Divulgação

Prefeito prevê atraso nas estruturas temporárias do Beira-Rio

Estádio, porém, não corre riscos de não ficar pronto para a Copa do Mundo

Elder Ogliari, O Estado de S. Paulo

26 de março de 2014 | 18h05

PORTO ALEGRE - As estruturas temporárias do Beira-Rio ficarão prontas para a Copa do Mundo, mas dificilmente serão entregues à Fifa até 21 de maio, dia tido como prazo para repassar a administração do estádio para a entidade. A previsão foi feita pelo prefeito de Porto Alegre, José Fortunati (PDT), em entrevista coletiva na sede da Federação das Associações Comerciais e de Serviços do Rio Grande do Sul (Federasul), nesta quarta-feira, um dia depois de a Assembleia Legislativa aprovar o sistema de incentivos fiscais que pretende atrair empresários dispostos a bancar as instalações. "O cronograma talvez ultrapasse um pouco a data prevista, mas com certeza teremos as estruturas montadas com toda a qualidade necessária até o fim de maio", avisou ele.

O projeto de lei do Executivo aprovado pelos deputados estaduais na terça-feira prevê o abatimento de 100% de débitos de ICMS, limitado aos gastos com as estruturas, estimados em R$ 25 milhões, para empresas que destinarem recursos à montagem de estacionamentos, centro de imprensa, equipamentos de transmissão de dados, voz e imagens, entre outros. O governo deve sancionar e regulamentar a lei nos próximos dias. O Inter, proprietário do estádio, vai apresentar uma empresa habilitada a instalar as estruturas temporárias. E a captação de recursos de outras empresas para encaminhá-los à execução das obras será submetida à análise de um comitê de avaliação.

ROUBADA

A solução encontrada para o impasse das estruturas temporárias colocou as administrações do Estado e de Porto Alegre sob críticas porque envolve renúncia fiscal e também cessão de equipamentos públicos, como geradores e detectores de metais, que serão cedidos temporariamente ao evento pela prefeitura da cidade e governo do Rio Grande do Sul.

Na noite de terça-feira, ao participar de um evento denominado "Diálogos sobre a Copa", o governador Tarso Genro (PT) demonstrou contrariedade com as exigências que a Fifa fez para o Brasil sediar o Mundial. Depois de ouvir representantes de movimentos sociais reclamarem das condições impostas pela entidade, ele chegou a falar em "invasão de soberania do País", para, em seguida, afirmar que "a decisão de assumir a Copa nessas condições foi uma roubada".

O governador ressalvou, no entanto, que a Copa é uma oportunidade, "apesar de todas as injustiças". O Estado espera que o movimento de turistas no Rio Grande do Sul gere cerca de R$ 80 milhões de impostos durante a Copa.

Questionado sobre a declaração do governador no dia anterior, Fortunati disse nesta quarta-feira que não considera a Copa "uma roubada" porque entende que o evento vai mudar a fisionomia de Porto Alegre. Mesmo que tenham sido retiradas da Matriz de Responsabilidade, 14 obras de infraestrutura estão em andamento na cidade e devem ficar prontas em um ou dois anos. São novas vias rápidas, corredores exclusivos de ônibus e elevadas que devem melhorar o tráfego da capital gaúcha.

Para o prefeito, Porto Alegre conquistou obras necessárias à cidade, gastou muito menos do que outras sedes da Copa porque o Beira-Rio é particular, reformado sem dinheiro público, mas acaba pagando, sob forma de críticas generalizadas, o preço de estádios construídos em outras cidades, como Manaus e Natal, que qualificou de "elefantes brancos". "As isenções fiscais daqui são migalhas diante dos (gastos) dos demais Estados", concluiu Fortunati.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.