Antonio Lacerda/EFE
Antonio Lacerda/EFE

Prefeito se diz otimista, mas nega favoritismo do Rio

Eduardo Paes afirma que concorrentes aos Jogos de 2016 (Madri, Tóquio e Chicago) são muito fortes

EFE,

23 de setembro de 2009 | 19h01

RIO - O prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes, disse nesta quarta-feira estar otimista com a possibilidade de a cidade ser escolhida como sede dos Jogos Olímpicos de 2016, mas descartou o suposto favoritismo da candidatura carioca.

Veja também:

linkLula tem trabalho fácil ao promover Jogos, diz 'NYT'

especialRIO 2016 - Mais sobre a campanha pelos Jogos

especialOs prós e contras das candidatas aos Jogos 2016

"Quando se concorre com Madri, Tóquio e Chicago, ninguém pode dizer que é favorito", assegurou Paes em entrevista a correspondentes estrangeiros no Rio.

"As outras candidatas são cidades com grande qualidade de vida. Madri é um lugar especial, com bagagem histórica imensa. Chicago é sem dúvida um dos lugares mais bonitos dos Estados Unidos, e Tóquio é impressionante", acrescentou o prefeito, que disse ser neto de madrilenhos.

Paes afirmou também que "se o Rio de Janeiro tem muito a ganhar com a sede dos Jogos, o movimento olímpico também vencerá se escolher a cidade".

"O objetivo dos Jogos é ser um evento universal, e optando pelo Rio, pode alcançar muitas pessoas que antes não atingia", afirmou, sobre a possibilidade do evento ser disputado em um país sul-americano pela primeira vez.

O prefeito assegurou que, apesar de considerar os eleitores do Comitê Olímpico Internacional (COI) como independentes e preocupados com critérios técnicos, a candidatura carioca não despreza o lado político da disputa, e por isso realiza, além de campanhas de promoção, visitas como a que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva fará a Copenhague, onde será anunciada a sede dos Jogos em 2 de outubro.

Paes destacou a organização do Pan de 2007 como prova de que a cidade é capaz de realizar grandes eventos, e acrescentou que o País está em um dos melhores momentos de sua história, por ter reagido bem à crise econômica mundial.

Segundo o prefeito, a realização da Copa do Mundo de 2014 não afetará a candidatura do Rio aos Jogos, mas será uma garantia de que os investimentos necessários serão feitos.

Tudo o que sabemos sobre:
Rio 2016OlimpíadasEduardo Paes

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.