Felipe Rau / Estadão
Felipe Rau / Estadão

Prefeitura de SP quer parceiro privado para batizar centro de skate e aproveitar boom da modalidade

Poder municipal vai vender os naming rights do Centro de Esportes Radicais e de mais dois endereços na cidade; investimento pode ser feito diretamente no apoio aos atletas

Gonçalo Junior, O Estado de S. Paulo

10 de agosto de 2021 | 15h21

O skate, modalidade que estreou nos Jogos de Tóquio com três medalhas para o Brasil, e outras modalidades olímpicas, como o beisebol e o bicicros (BMX), vão ganhar novos impulsos na cidade de São Paulo. A Prefeitura de São Paulo vai comercializar os naming rights de três centros esportivos, entre eles, o Centro de Esportes Radicais, localizado na Marginal Tietê, nas proximidades do Bom Retiro.

Os outros dois centros que também poderão ter novos nomes são o Centro Esportivo Brasil Japão, local ideal para a prática do beisebol, BMX e sumô e localizado também nas próximidades da marginal do Tietê, além do Centro Esportivo e de Lazer Modelódromo do Ibirapuera, zona sul da cidade. Este é o primeiro projeto da Prefeitura de cessão exclusiva de naming rights. 

A cessão dos naming rights significa conceder o direito de nomear um bem, um local ou uma atividade com uma marca ou produto. A grosso modo, é a nova maneira como ele será identificado oficialmente, como o Allianz Parque, estádio do Palmeiras, ou a Neo Química Arena, do Corinthians. No caso dos centros esportivos, eles vão ganhar um “sobrenome” do parceiro privado, que vai poder expor sua marca. A gestão continua sendo da prefeitura. 

A consulta pública será aberta nesta quarta-feira, 10, com prazo de 45 dias para apresentação de propostas. O edital deverá ser publicado em setembro. O valor mínimo para aquisição dos naming rights do Centro de Esportes Radicais é de R$ 1.058.200,00 por ano. O Modelódromo vale R$ 1,754.400,00. Já no Centro Esportivo Brasil-Japão, o valor é de R$ 791 mil anuais. Quem oferecer o maior valor será declarado o vencedor do processo pelo período de cinco anos. Os locais foram escolhidos em função da boa infraestrutura, da demanda da população e do interesse já manifestado pela iniciativa privada.

A nova 'febre' do skate

Com uma área de mais de 38 mil metros quadrados, o Centro de Esportes Radicais se tornou um dos destaques do projeto municipal em função do sucesso do skate na Olimpíada. A modalidade trouxe três medalhas de prata para o País em sua estreia, com Rayssa Leal e Kelvin Hoefler na modalidade street e Pedro Barros no park. O skate já foi confirmado pelo COI nos Jogos de Paris-2024,

O parque é o primeiro do País a abrigar um complexo com três pistas de "pump track" com níveis (rampas) para praticantes e os veteranos. O local também permite o uso de bicicleta, patins ou patinete, circuito de parkour.

O Centro Esportivo Brasil-Japão é o endereço do beisebol e de softbol na cidade. Depois estrear nos Jogos de Barcelona-1992, sair do programa em 2012 e reaparecer em Tóquio, o beisebol não será disputado em 2024. O Japão ganhou a medalha de ouro, superando Estados Unidos e República Dominicana. 

Contrapartidas sociais

A iniciativa é da Secretaria Executiva de Desestatização e Parcerias, unidade vinculada à Secretaria de Governo Municipal, em parceria com a Secretaria de Esportes e Lazer. A expectativa é gerar cerca de R$ 18 milhões no período de cinco anos nos três equipamentos. O valor será destinado para o fundo voltado para políticas públicas prioritárias, como saúde e educação.

“É uma iniciativa pioneira e inovadora em que a iniciativa privada participa com uma finalidade social. A ideia não é só receber investimentos, mas também receber contrapartidas sociais”, explica Tarcila Peres, secretária Executiva de Desestatização e Parcerias da Prefeitura de São Paulo.

Com as contrapartidas sociais, o investidor pode abater até 75% dos pagamentos, que são feitos mensalmente. Entre esses retornos estão as benfeitorias nas instalações dos centros esportivos, como mobiliário e itens de acessiblidade. Outra opção é a promoção de atividades de interesse coletivo de esportes, lazer e recreação gratuitas e abertas ao público em 60 dias por ano.

Outra vertente é o incentivo direto para atletas e equipes das modalidades praticadas nos locais, seja por meio de transporte e alimentação, equipamentos ou até mesmo financiamento direto. Nesta fase do projeto, 50 atletas deverão ser beneficiados com auxílio financeiro de acordo com as regras do edital. “A ideia é incentivar que o parceiro apoie essas contrapartidas sociais para que o investimento fique direto na comunidade”, diz Tarcila.

Os três endereços

Centro de Esportes Radicais

Endereço: Av. Pres. Castelo Branco, 5700 - Bom Retiro, São Paulo

Área: aproximadamente 38.500 m²

Modalidades: skate (park e street) e BMW

Centro Esportivo Brasil Japão

Endereço: Av. Pres. Castelo Branco, 5446 - Bom Retiro, São Paulo - SP, 01142-300

Área: 40.660 m² de terreno, acrescidos de 670 m² do Ginásio de Sumô

Modalidades: beisebol, softball, sumô

Modelódromo

Endereço: Rua Curitiba, 290 - Ibirapuera

Área: 26.000 m²

Modalidade: aeromodelismo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.