Premiada por Bolsa Pódio, neta de Coaracy fica fora da final do Mundial

A Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos (CBDA) utilizou o oitavo lugar na Copa do Mundo de Nado Sincronizado, no ano passado, como argumento para solicitar Bolsa Pódio para o dueto formado por Duda Miccuci e Luisa Borges, que é neta de Coaracy Nunes, presidente da entidade. Diante das melhores do mundo, as brasileiras mostraram que, no Rio, não vão disputar o pódio, mas brigar contra os últimos lugares. No Mundial de Kazan, nem avançaram à final da rotina técnica.

Estadão Conteúdo

26 de julho de 2015 | 12h29

Diferente da Olimpíada, em que a competição de dueto considera as somas das notas recebidas nas rotinas técnica e livre, no Mundial a competição é separada, ainda que os medalhistas costumem se repetir. Luisa e Duda estrearam em Mundiais ficando na 14.ª colocação, novamente atrás de Canadá, México e EUA, de quem perderam no Pan. Em Toronto, o Brasil ficou fora do pódio após quatro edições dos Jogos.

Há dois anos, no Mundial de Barcelona, Lorena Molinos e Giovana Stephan ficaram no 13.º lugar na rotina técnica (depois, repetiram o resultado na livre), com 83,300 pontos. Por conta do resultado, considerado frustrante, elas foram postas de lado na seleção para que a neta de Coaracy assumisse o dueto.

Agora, em Kazan, a dupla Luisa/Duda, que está sendo preparada para a Olimpíada, terminou com 81,7065 pontos, em 14.º. O resultado é o pior do Brasil desde pelo menos 2009, quando o País ficou em 10.º lugar nessa prova.

As brasileiras voltam a competir no dueto na terça-feira, na fase de classificação da rotina livre. Na segunda, as duas participam da equipe do Brasil também na rotina livre.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.