Preparados para a invasão

Suíços e austríacos esperam 1,5 mihão de torcedores durante o evento, que começa sábado

Jamil Chade, O Estadao de S.Paulo

31 de maio de 2008 | 00h00

A tranqüilidade dos alpes suíços e austríacos será quebrada a partir desta semana, quando 14 seleções européias desembarcam nos dois países para disputar a Eurocopa. Considerado o terceiro maior torneio do mundo, depois da Copa do Mundo e dos Jogos Olímpicos, o evento deve proporcionar lucro de pelo menos US$ 1 bilhão e levará à Áustria e à Suíça mais de de 1,5 milhão de turistas. A competição começa no dia 7 na Basiléia com Suíça x República Checa. A final será em Viena, no dia 29. Em nenhum dos dois países-sedes o futebol é o primeiro esporte nacional. Não têm título europeu de seleções nem de clubes. "Sinceramente, não tenho idéia de futebol e não posso nem dar meu palpite sobre quem vai ganhar", afirmou ao Estado o presidente suíço, Pascal Couchepin. Seu comentário retrata a relação do povo com o esporte. Preocupado em mudar a imagem conservadora da Suíça, o governo destinou US$ 10 milhões para treinar 50 mil trabalhadores de bares, restaurantes e hotéis a serem simpáticos com os turistas. A iniciativa causou polêmica e a oposição não economizou críticas, alegando que se trata do único caso no mundo de um governo gastar dinheiro para fazer sorrir a população local, conhecida por sua seriedade. Os suíços timidamente começam a colocar bandeiras do país em suas janelas. Mas, ocorrendo no centro geográfico do continente, o campeonato promete atrair franceses, alemães, italianos e europeus de outras partes, que podem até sair de suas cidades de carro para acompanhar os jogos nos Alpes. No total, 900 mil ingressos foram colocados à venda. A Uefa recebeu 11 milhões de pedidos e foi obrigada a sortear os nomes daqueles que teriam o direito de comprar as entradas.Para lucrar com cada aspecto do campeonato, a Uefa passará a cobrar uma taxa dos bares e restaurantes na Suíça e na Áustria que optem por instalar um telão e mostrar jogos ao vivo - cada um custará em torno de R$ 300,00. Com tantos torcedores sem ingressos, os estabelecimentos conseguirão retorno seguro do investimento. A Uefa ainda conseguiu um verdadeiro presente dos suíços. Negociou redução fiscal significativa e pagará apenas 1% em impostos pelos lucros que obtiver com a Eurocopa. PRISÃOMeticulosos, os suíços começaram a se preparar há meses para o evento e tudo está em dia. Os organizadores importaram até toneladas de batatas para garantir que o produto não falte nos estádios, diante da alta mundial dos preços de alimentos. Uma prisão no centro do país foi esvaziada para dar lugar a possíveis torcedores detidos por distúrbios. Os anfitriões não escondem o alívio pelo fato de os britânicos term ficado em casa. A Inglaterra não se classificou e é a grande ausência deste ano. Entre os favoritos, estão a atual campeã do mundo Itália e tradicionais potências como França e Alemanha. O destino - e o sorteio da Uefa - colocou franceses e italianos na mesma chave. E não há garantia de que se classifiquem, já que o grupo ainda tem Romênia e Holanda. Com Cristiano Ronaldo em forma, Portugal espera apagar a tragédia da final da Euro-2004, quando perdeu em casa para a Grécia. A Espanha aparece como uma das favoritas nas casas de apostas de Londres. Em avaliação feita pelos bancos suíços, a República Checa desponta como a seleção com mais chances de vencer. Quem tem certeza de que não chegará longe são os donos da casa. Áustria e Suíça não têm grandes pretensões. PLATAFORMAPara os governos dos países que organizam a Euro-2008, a saída é apostar na promoção dos locais dos eventos, até mesmo politicamente. O governo suíço convidou ministros de vários países para assistir aos jogos e, de quebra, se reunir com as autoridades para tratar de aproximações políticas e econômicas. Um dos que já confirmaram presença é o chanceler brasileiro Celso Amorim. Os suíços e austríacos também apostam que as 31 partidas dêem incentivo extra às economias. A previsão é de injeção de US$ 1,5 bilhão apenas na economia suíça com a realização da Eurocopa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.