Presidente banca Felipão até 2012

Torcedores do Palmeiras picham muro do Palestra Itália pedindo a saída do treinador após a derrota para o Internacional

Daniel Akstein Batista, O Estado de S.Paulo

13 de setembro de 2011 | 00h00

Desta vez sobrou até para Luiz Felipe Scolari. Poupado muitas vezes pela torcida palmeirense, o treinador também foi criticado após a derrota para o Internacional no domingo. Os 3 a 0 sofridos em pleno Pacaembu foram demais para os torcedores e, novamente, os muros do Palestra Itália foram pichados. Agora com a frase "Fora Felipão", dentre outros xingamentos.

O técnico não está totalmente satisfeito no Palmeiras. Na sexta-feira, ele chegou a assinar um novo contrato, que livraria o clube da multa caso quisesse demiti-lo. O acordo, no entanto, foi rejeitado pelo presidente do clube, Arnaldo Tirone.

O dirigente garante Felipão no cargo até o final do contrato, em dezembro de 2012, e por ele já prorrogaria até 2014. Já Felipão não planeja agora mudar o período de vigência mesmo sabendo que não agrada a todos no clube - a pressão é forte para derrubá-lo.

Apesar de não ser o melhor amigo e fã de Felipão, o vice Roberto Frizzo diz que agora não é momento de pensar em mudanças na comissão técnica. "Aqui está tudo tranquilo, só precisamos trabalhar mais. Não temos planos para modificar o treinador", diz o dirigente.

Segundo Frizzo, os jogadores precisam esquecer a pressão que sofrem diariamente para buscar o resultado positivo. Nos últimos dez jogos no Brasileiro, o time só ganhou uma vez, com seis empates e três derrotas.

"Temos de deixar a ansiedade de lado", pede Frizzo, que não estranha o protesto da torcida. "É natural que eles estejam desacreditados", conta. "Até jogamos bem contra o Inter, mas a bola não entrou."

Novo reforço. A Justiça deu um parecer favorável ao meia Pedro Carmona e ele deve chegar hoje ao clube paulista para realizar exames médicos. O Palmeiras já havia se acertado com o São José-RS, dono dos direitos federativos do atleta, mas o Criciúma não queria liberá-lo.D

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.