Presidente da AMA quer aumentar punição para atletas pegos no anti-doping

Proposta é aumentar em dois anos a punição para inibir casos de doping

28 de julho de 2007 | 09h08

Depois dos escândalos na Volta da França, o presidente da Agência Mundial Antidoping (AMA), Richard Pound, manifestou sua vontade em aumentar a pena a atletas pegos no antidoping pela primeira vez. Hoje, a punição é de dois anos, mas a idéia é aumentá-la para quatro.   A proposta de Richard Pound foi anunciada em sua entrevista publicada pela revista Le Figaro. Nela, o presidente da AMA confessou que a reforma será apresentada na próxima reunião do conselho, que acontece no mês de novembro.   Além de aumentar a suspensão para quatro anos, Pound pretende estabelecer punições mais rigorosas para atletas reincidentes, chegando a exclusão. O presidente da AMA, no entanto, quer criar uma "comissão da verdade" para dar chances a atletas dopados. A idéia é atenuar penalidades para àqueles que confessarem e indicarem outros atletas dopados, assim como pessoas que estariam envolvidas no comércio de produtos proibidos.   Já sobre a União Mundial de Ciclistas (UCI), o presidente da AMA disse que a entidade deve assumir sua responsabilidade em relação aos casos de doping na Volta da França, e que ações mais severas deveriam ser adotadas para evitar o doping entre ciclistas.

Tudo o que sabemos sobre:
esportesdoping

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.