Divulgação/Ministério do Esporte
Divulgação/Ministério do Esporte

Presidente da Autoridade Brasileira de Controle de Dopagem aposta no recredenciamento do Ladetec

Processo para novo credenciamento será conduzido do zero, inclusive com a construção de um novo prédio

Alessandro Lucchetti, O Estado de S. Paulo

28 de agosto de 2013 | 19h38

SÃO PAULO - O diretor executivo da Autoridade Brasileira de Controle de Dopagem, Marco Aurélio Klein, diz acreditar firmemente na possibilidade de o Ladetec (Laobratório de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico) ser recredenciado pela Wada (Agência Mundial Antidoping) a tempo de poder funcionar durante os Jogos Olímpicos de 2016.

Klein decidiu não recorrer ao TAS (Tribunal Arbitral do Esporte) para pleitear a anulação do descredenciamento, porque o trâmite jurídico poderia consumir muito tempo, e vai recomeçar o processo de credenciamento do zero. Para tanto, foi agendada uma reunião da sede da Wada, em Montreal, para traçar um plano, no próximo dia 6. O processo pode consumir dois ou três anos ou até mais. "Em nenhum momento a Wada aventou a possibilidade de não reacreditar o Ladetec. Não tenho dúvida de que ele será reacreditado. No limite, a Wada pode determinar que seja levantado um novo prédio, e nós estamos justamente fazendo isso: estamos construindo um novo laboratório".

O novo Ladetec está sendo erguido no campus da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), em frente ao antigo, que começou a operar em 1989, para a realização de testes durante a Copa América de futebol. A previsão é que a construção do prédio seja concluída em abril do próximo ano, segundo Klein.

"O processo de credenciamento pode durar dois ou três anos, ou mais. No México foi necessário mais tempo. Já o credenciamento do laboratório de Buenos Aires nem saiu ainda. A Wada fala em conduzir o processo pela via rápida (fast track). Quanto antes esse processo estiver concluído, melhor. Haverá mais tempo de treinamento para os oficiais de controle de dopagem. A meta da ABCD é termos zero caso de dopagem de atletas brasileiros em 2016. E para isso é fundamental termos um laboratório".

Klein contestou declarações dadas por especialistas em doping como Eduardo de Rose, que é membro da Wada, e de Thomaz Mattos de Paiva, presidente da Comissão Antidoping da Confederação Brasileira de Atletismo (CBAt). Paiva disse que os problemas do Ladetec advêm da falta de recursos e da burocracia que atrasaria a liberação de verba. "Desde 2010, quando eu era diretor de Alto Rendimento do Ministério do Esporte, tenho observado que todas as demandas feitas pelo laboratório ao Governo Federal foram atendidas".

A burocracia que atrasava o desembaraço de amostras de urina na alfândega, o que não raro adulterava suas propriedades devido à degradação, é coisa do passado, segundo Klein. "O recebimento de amostras de urina é um processo historicamente novo. Nós nos reunimos com autoridades da Receita Federal, da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) e até mesmo com representantes da Associação Brasileira dos Couriers para estudarmos o processo. Foi formado um grupo de trabalho que em  cem dias propôs soluções. Desde o fim de janeiro, começo de fevereiro, o processo está muito mais ágil. Foram criados procedimentos para a entrada da urina no país, com processo, estabelecimento de padrão de caixa e selo da ABCD, por exemplo".

O apefeiçoamento do processo de importação de reagentes teria beneficiado até mesmo os laboratórios forenses, segundo Klein. Um dos motivos que levaram o Ladetec a receber a pontuação de 30 pontos negativos, o que decretou seu descredenciamento, teria sido a difculdade para a importação de reagentes para a calibragem das máquinas. Num período de quatro meses, o laboratório falhou em três testes de material enviado pela Wada - cada erro penaliza o laboratório em dez pontos negativos. "As máquinas necessitam de reagentes em quantidades microscópicas, em quantidades com nove casas decimais depois da vírgula. Nós tínhamos que pedir emprestados reagentes de outros laboratórios, que podem ter chegado já degradados. Isso realmente nos prejudicou e é parte da razão do descredenciamento. Não havia processo para essa importação. Agora faremos a primeira importação desse material".

Outros motivos seriam as próprias limitações físicas do prédio antigo e a falta de pessoal. Essas questões estão sendo atacadas, segundo Klein. Será publicado, em breve, um edital para a contratação de funcionários para o laboratório, diz o secretário executivo.

"Os grandes investimentos estão previstos. É um trabalho difícil, mas precisa ser feito", conclui Klein.

 

Notícias relacionadas

    Encontrou algum erro? Entre em contato

    O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.