Presidente do COI cobra credibilidade no esporte e 'cutuca' Fifa

O presidente do Comitê Olímpico Internacional, Thomas Bach, "cutucou" a Fifa e seus dirigentes nesta quinta-feira em seu discurso de abertura da reunião do COI, realizada em Kuala Lumpur. Bach cobrou credibilidade das entidades esportivas e afirmou que é preciso fazer mais do que falar.

Estadão Conteúdo

30 de julho de 2015 | 10h54

"Precisamos demonstrar de fato que estamos fazendo a caminhada e não apenas falando sobre isso", declarou o dirigente, sem citar a Fifa, alvo de recente escândalo de corrupção. "Estes são tempos difíceis para o esporte, como demonstraram claramente os recentes acontecimentos em outras organizadores esportivas."

No fim de maio, às vésperas da eleição da Fifa, sete dirigentes da entidade que comanda o futebol mundial foram presos em Zurique, entre eles o ex-presidente da CBF José Maria Marin. Acusados de corrupção, eles podem ser extraditados nas próximas semanas para os Estados Unidos, que lideram a investigação. Autoridades suíças também apuram denúncias de irregularidades na gestão da Fifa e no processo de escolha das Copas de 2018, na Rússia, e 2022, no Catar.

Para Bach, entidades como a Fifa devem resgatar sua credibilidade a partir de ações mais transparentes. "As pessoas hoje em dia exigem maior transparência e querem ver mais ações concretas que mostrem que estamos vivendo de acordo com nossos valores e nossa responsabilidade", declarou o presidente do COI.

O dirigente citou a própria entidade como exemplo de superação e resgate de imagem, após o episódio de corrupção no caso Salt Lake City. Em 1998, surgiram denúncias de que dirigentes do COI teriam recebido suborno para escolher a cidade norte-americana como sede dos Jogos Olímpicos de Inverno de 2002. O episódio causou a expulsão ou renúncia de 10 membros do COI.

"Sabemos, a partir da nossa própria história, que a reconstrução da credibilidade leva tempo. Implementar as melhores práticas, como boa governança e transparência, não acontece da noite para o dia", comentou Bach. "Colocar estas ações em prática não é um processo fácil. Mas nós vemos claramente hoje como estas reformas funcionaram para nossa organização."

O presidente do COI não comentou a ausência de Blatter na reunião em Kuala Lumpur. O presidente da Fifa, que deixará o cargo em fevereiro de 2016, é membro da entidade olímpica. Neste encontro, os membros do COI vão decidir nesta sexta-feira a sede da futura Olimpíada de Inverno de 2022. Pequim, na China, e Almaty, no Casaquistão, são os finalistas na disputa.

Tudo o que sabemos sobre:
COIcorrupçãoFifaThomas Bach

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.