Arquivo/AE
Arquivo/AE

Presidente do COI não vê razão para suspeitar de Usain Bolt

Jacques Rogge saiu em defesa do atleta jamaicano, depois da quebra do recorde mundial dos 100 metros

AE, Agencia Estado

18 de agosto de 2009 | 09h49

Assim como já aconteceu na Olimpíada de Pequim, Usain Bolt voltou a assombrar o mundo no último domingo, quando conquistou a medalha de ouro no Mundial de Berlim de atletismo com o novo recorde dos 100 metros rasos: 9s58. Apesar dos feitos impressionantes do jamaicano, o presidente do Comitê Olímpico Internacional (COI), o belga Jacques Rogge, não vê razão para suspeitar de doping.

Veja também:

linkBolt avança à segunda fase dos 200 m com facilidade

linkJadel Gregório disputa a final do salto triplo

mais imagens GALERIA DE FOTOS - Imagens do dia 4

especialMUNDIAL - Leia todas as notícias do torneio

forum QUIZ - Participe do teste sobre o Mundial

tabela CALENDÁRIO - Todos os eventos e horários

Em entrevista ao jornal belga Le Soir, nesta terça-feira, Rogge mostrou estar convencido de que Bolt é um atleta "limpo". "Não tenho nenhuma razão para duvidar dele", afirmou o presidente do COI. Ele lembrou que o jamaicano é um dos atletas que mais exames antidoping realiza no esporte mundial atualmente e que "sempre deu negativo".

Perguntado sobre a possibilidade de doping genético, Rogge descartou a hipótese e ainda ironizou. "Medir 1,96 metros, ter ossos longos e, provavelmente, uma quantidade de fibras brancas acima do normal não é doping genético. Você nasce assim", afirmou o presidente do COI, colocando Bolt no grupo dos grandes nomes da história do esporte.

O presidente do COI, que está no cargo desde 2001 e tem mandato até 2013, chegou a fazer uma previsão sobre o que Bolt ainda pode fazer na prova de 100 metros rasos. Rogge disse acreditar que o astro jamaicano tem condições de baixar o recorde mundial para 9s50, atingindo um patamar que era considerado impossível alguns anos atrás.

Tudo o que sabemos sobre:
atletismoCOIJacques RoggeUsain Bolt

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.