Presidente do COI visita Baku, candidata à Olimpíada de 2016

Jacques Rogge se encontra com Ilham Aliyev para conhecer o plano de ação da cidade para o Jogos

05 de fevereiro de 2008 | 17h35

O belga Jacques Rogge, presidente do Comitê Olímpico Internacional (COI), chegou nesta terça-feira a Baku, capital do Azerbaijão, para ver de perto os preparativos da cidade, rival do Rio de Janeiro na disputa pelos Jogos Olímpicos de 2016.  Em sua primeira visita ao Azerbaijão, Rogge se reunirá com o presidente do país, Ilham Aliyev, também à frente do comitê olímpico nacional.  Nesta quarta-feira, Rogge visita a cidade e as principais instalações esportivas da capital. Aliyev acha que Baku, banhada pelo Mar Cáspio, pode ser a escolhida no anúncio oficial, dia 2 de outubro de 2009 em Copenhague, na Dinamarca.  No entanto, o presidente do país reconhece que é preciso ser "realista", já que geralmente as candidatas olímpicas nunca têm sucesso na primeira candidatura. Ele adiantou que o Azerbaijão concorrerá também aos Jogos de 2020. Grande parte do investimento em infra-estruturas será destinado à construção de dois estádios - um com capacidade para 70.000 pessoas, que receberia as cerimônias de abertura e encerramento dos Jogos, e outro com capacidade para 45.000.  Além disso, o plano inclui a construção da vila olímpica a 50 quilômetros da capital, às margens do mar Cáspio, entre outras infra-estruturas esportivas.  Também está sendo estudada a ampliação e modernização do aeroporto internacional da capital, além da rede de estradas e hoteleira.  Baku, cidade de 2,2 milhões de habitantes, viveu seu apogeu no final do século XIX e início do XX, quando os irmãos Nobel forjaram sua fortuna com o petróleo local.  País independente desde o fim da União Soviética (1991), o Azerbaijão possui uma das maiores reservas mundiais de petróleo e é uma das economias com maior crescimento do planeta - mais de 30% anual.  Além de Baku e Rio, são candidatas aos Jogos de 2016: Madri, Chicago, Doha, Tóquio e Praga.

Tudo o que sabemos sobre:
Jogos de 2016

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.