Pressão aumenta na Libertadores com triunfos mexicanos

O empate com o Deportivo Táchira, da Venezuela, na estreia na Libertadores custou caro ao Corinthians, que já está bastante pressionado na competição. O motivo do aumento das cobranças vem do México. O Cruz Azul goleou os venezuelanos por 4 a 0, chegou ao segundo triunfo e já abriu cinco pontos de vantagem.

O Estado de S.Paulo

24 de fevereiro de 2012 | 03h06

"Não trabalho pensando na Libertadores, trabalho pensando no próximo jogo. Nossa meta é ficar entre os quatro primeiros no Paulista, com meta de ser primeiro para ter vantagem nos mata-matas e de se classificar na Libertadores", afirma Tite.

Mas como o Cruz Azul ganhou duas e fez bom saldo, vencer o Nacional, do Paraguai, em casa por bom placar no dia 7 se faz necessário para o Corinthians seguir firme na briga pela ponta do Grupo 6. Na terceira rodada o Alvinegro visita os mexicanos. "O Tite quer que a gente fique tranquilo na Libertadores, que não construa uma pressão interna desnecessária", diz Willian.

Tudo o que sabemos sobre:
Copa LibertadoresCorinthians

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.