Pressão não atrapalhou Mosiah Rodrigues

Sem Diego Hypólito, que quebrou o pé durante o aquecimento antes das provas de classificação, na sexta-feira, as esperanças da ginástica masculina do Brasil na etapa de São Paulo da Copa do Mundo ficaram com Mosiah Rodrigues. Ele correspondeu às expectativas, conquistando duas medalhas: bronze no cavalo com alças, no sábado, e prata na barra fixa, neste domingo."O segundo lugar está ótimo", comemorou Mosiah, após ganhar a prata na barra fixa. Ele conseguiu nota 9,400, só atrás do espanhol Manuel Carballo, que fez 9,475. "Na Olimpíada de Atenas tirei 9,512, é um décimo que me deixaria em primeiro. Mas essa série eu faço há um mês e não tinha como ter um resultado tão alto como na Olimpíada."Desde Atenas, em agosto de 2004, Mosiah não disputava uma competição de alto nível. "Essa série é nova e hoje eu a coloquei em prova. Não está 100%, mas era uma pressão bem grande, com um público tão grande. Valeu a pena, com todo mundo aqui olhando a gente, prestigiando nosso trabalho", reconheceu.A seleção permanente masculina também treina em Curitiba, mas não tem patrocinador (a Bombril está investindo apenas no feminino). E isso dificulta a participação em todos os torneios internacionais. "Não sei a minha próxima competição, dependo de convocação. São 12 os ginastas da seleção, aqui só puderam competir seis e é muito difícil estar entre eles", explicou Mosiah.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.