Guilherme Dionízio/AE
Guilherme Dionízio/AE

Pressionado, Santos recebe o Coritiba

Em situação difícil no campeonato e ameaçado de entrar na zona da degola, time de Muricy tem de vencer hoje

Sanches Filho / SANTOS, O Estado de S.Paulo

17 de agosto de 2011 | 00h00

SANTOS - O Santos tem obrigação de vencer o Coritiba, hoje, às 21h50, para não agravar a difícil situação em que se encontra no Brasileiro - é o 16º. colocado, com 15 pontos. Um resultado ruim pode levar o time a conviver com a ameaça de queda para a Série B.

A situação não é nada confortável e, para complicar, Muricy Ramalho pode ter perdido Arouca. O volante sofreu uma pancada no pé direito, numa disputa de bola com Adriano, no treino de ontem à tarde, no CT Rei Pelé, e saiu de campo andando com dificuldade. Ele iniciou o tratamento médico e depende de teste para jogar hoje à noite.

Se Arouca for vetado, Muricy deve abrir mão de um volante e armar o time com dois meias - Ganso e Diogo. Elano (torção no tornozelo esquerdo) e Ibson (lesão de grau dois no músculo adutor da coxa esquerda) também desfalcam o time.

Mesmo sem Arouca e Elano, mas com Neymar, Ganso, Borges, Rafael, entre outros importantes titulares, não há desculpa para o campeão continental não impor a sua melhor qualidade diante de um adversário que não briga pelo título.

Muricy e a maioria dos jogadores não encontram explicações para a campanha tão ruim, com apenas uma vitória e um empate nos seis últimos jogos, desde a volta de Neymar, Ganso e Elano, que estavam com a Seleção Brasileira na Copa América. O time perdeu em organização, na marcação, e sofre o dobro de gols que tomava no primeiro semestre quando conquistou o bi paulista e a Libertadores.

Edu Dracena, que cumpriu suspensão pelo terceiro cartão diante do Atlético-GO, volta ao time e projeta para hoje o início da reação para ter o que comemorar ao sair de campo, depois de ter vestido pela 100ª. vez a camisa do Santos.

Mas, como a maioria dos companheiros, ele demonstra preocupação com a má fase sem fim do time que não consegue emplacar dois bons resultados consecutivos.

"Alguma coisa está acontecendo, mas nem nós sabemos o que é. Cada um tem que rever o que está fazendo de certo e de errado, trabalhar mais e focar nas partidas para que o Santos volte a ser competitivo como no início da temporada", prega o capitão. "Neste momento, não podemos pensar título. Hoje a nossa realidade é ali na zona de rebaixamento. Temos que pensar em sair o mais rápido possível dessa situação incômoda", afirmou o zagueiro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.