Pretensão é ficar entre os dez primeiros na casa dos favoritos

O britânico Nick Turner vem trabalhando com os cavaleiros brasileiros e espera colher os frutos em 2016, no Rio

/P. F., O Estado de S.Paulo

24 de junho de 2012 | 03h09

O experiente cavaleiro Serguei Fofanoff, o Guega, vai comandar a equipe brasileira no Concurso Completo de Equitação (CCE) em Londres. Em sua quarta participação olímpica (1992, 1996, 2000 e 2012), ele estará ao lado de Ruy Fonseca, Renan Guerreiro, Marcio Jorge e Marcelo Tosi na tentativa de melhorar a melhor colocação histórica do País nos Jogos: o sexto lugar de Sydney, em 2000.

Para Carlos Bellandi, diretor de CCE da Confederação Brasileira de Hipismo, a expectativa é fazer uma boa competição na terra da rainha. As provas ocorrem entre 28 e 31 de julho em Greenwich Park e irão contar com a participação de 75 atletas de 24 países.

"Queremos alcançar melhores resultados que nas edições anteriores, tendo como meta para Londres ficar entre o 6.º e o 10.º lugar entre os países participantes", afirma, numa referência à 10.ª colocação de Pequim, em 2008, e 11.ª em Atenas.

O britânico Nick Turner é técnico da seleção brasileira de CCE desde 2009 e está fazendo um trabalho visando principalmente aos Jogos de 2016, que serão disputados no Rio de Janeiro. Ele tenta popularizar o esporte no país, faz um trabalho de formação com os atletas e sua atuação vem agradando aos dirigentes da confederação. "O trabalho do Nick com a gente tem sido bastante eficiente, quebrando algumas barreiras que existiam para os cavaleiros e levando o nosso grupo ao nível dos principais ícones do CCE no mundo", explica Bellandi.

O diretor da entidade sabe que é muito difícil a possibilidade de alguma medalha para o Brasil em Londres, pois alguns países estão mais avançados na modalidade e possuem uma grande tradição. "O favoritismo é obviamente da Inglaterra, por toda a tradição na modalidade, seguida da Austrália, Nova Zelândia, Estados Unidos, Alemanha, Canadá e Itália".

Mas Bellandi espera colher alguns frutos nos próximos anos e quem sabe garantir uma medalha inédita em 2016. "Nosso objetivo para o CCE é tentar formar cavalos e cavaleiros para buscar uma medalha no Brasil. Estamos também realizando treinamento com os cavaleiros jovens, para formá-los para os próximos anos. Nosso treinador deverá passar um tempo maior no Brasil e incentivar novos conjuntos para este esporte."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.