Gilbert Bellamy/Reuters
Gilbert Bellamy/Reuters

Primeiro-ministro da Jamaica diz que festa de Bolt será investigada pela polícia

Polícia vai apurar suposta comemoração de aniversário que furou a quarentena obrigatória do país

Redação, Estadão Conteúdo

25 de agosto de 2020 | 14h18

O primeiro-ministro da Jamaica, Andrew Holness, revelou que a polícia está investigando a festa de aniversário surpresa de Usain Bolt. O evento reuniu mais de 20 pessoas, o que vai na contramão do que é permitido no país em decorrência da pandemia do coronavírus, e convidados foram flagrados sem máscaras de proteção. O caso ganhou destaque no noticiário internacional, após o atleta ter revelado que testou positivo para covid-19.

"A polícia está investigando todos os aspectos deste assunto (festa). Ninguém está sendo tratado com isenção ou tratamento especial. Todos os jamaicanos têm um dever. Todos os que estão na esfera pública têm um dever ainda maior", disse Holness.

De acordo com a imprensa jamaicana, a festa contou com a presença de personalidades esportivas, como o atacante Raheem Sterling, do Manchester City, e o ala Leon Bailey, do Bayern Leverkusen. O ministro da Saúde, Christopher Tufton, negou que houve quebra do protocolo de quarentena imposto a estrangeiros.

"Não tenho conhecimento de nenhum indivíduo específico entrando e violando as ordens de quarentena. Se tivermos informações, as regras se aplicariam neste caso, como em qualquer outro caso", explicou Tufton.

Após a repercussão do caso, Bolt se manifestou através de suas redes sociais. Dono de oito ouros olímpicos, o ex-atleta disse que estava assintomático e que havia teste para a covid-19. O ministro da Saúde confirmou que a lenda do atletismo contraiu a doença.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.