Pro rei

Talvez a presença da realeza holandesa no Beira Rio, ontem, tenha alguma coisa a ver com isso, mas Holanda e Austrália fizeram jogo digno de um rei. O melhor da Copa até agora. Boa parte disso se deve à decisão da Austrália de recusar o papel que lhe cabia na oferenda que os jogadores da Holanda fariam à sua majestade, a de animal sacrifical. O esperado era que a Austrália fosse ritualmente imolada diante do rei. Mas se negou a ser sacrificada. Jogou de igual para igual com a Holanda, e o resultado foi o grande jogo que se viu.

VERISSIMO, O Estado de S.Paulo

19 de junho de 2014 | 02h04

Adiós. Pois é, adiós, España. Com o declínio do Barcelona e agora o desastre da seleção, pode-se falar no fim de uma era ou, no mínimo, de um estilo? O toque-toque espanhol teve seu momento de glória, mas não resistiu ao pior inimigo de qualquer moda, o tempo.

A grande lição filosófica que guardei da minha infância, quando ainda havia bondes em Porto Alegre, é que tudo na vida é passageiro, menos o cobrador e o motorneiro. Nada mais melancólico do que ver Xavi, o maestro do estilo Barcelona, sentado no banco de reservas da Espanha, ontem, já com cara de relíquia. Não sei se o Xavi não jogou por algum problema físico ou alguma razão tática, ou simplesmente porque, como o estilo que representa mais que ninguém, ele é apenas outra vítima do tempo. Só sei que toda vez que o Iniesta pegava a bola parecia estar procurando o Xavi para fazer a jogada, mas Xavi não estava lá.

De qualquer maneira, foi bonito enquanto durou, Espanha.

Figura. Uma figura tradicional que não se via desde que um certo padrão físico passou a ser condição para jogar futebol é o ponteirinho, aquele baixinho que serelepeava por uma ponta ou por outra do ataque e era, geralmente, um bom driblador, quando não apenas um ciscador. Por isso, foi uma alegria nostálgica ver em ação o Sterling, autêntico espécime da raça - e logo no time da Inglaterra, que sempre priorizou a força física sobre outras virtudes. Sterling é atrevido como costumam ser os baixinhos e, definitivamente, não é um ciscador. Se for escalado para jogar contra o Uruguai hoje, preste atenção na figura. Já o Uruguai, pelo que se sabe, jogará hoje com o meio-time que faltou na sua estreia na Copa, o atacante Suárez.

Uruguai x Inglaterra será entre dois perdedores e feridos atrás da reabilitação. Deve ser outro jogo bom.

Tudo o que sabemos sobre:
Luis Fernando Verissimo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.