Processos agravam problemas no Vasco

Processos na Justiça complicam ainda mais a crise do Vasco e o atletismo da Funilense já conseguiu, inclusive, penhorar uma casa, de propriedade do clube, na Rua São Januário, 891, em São Cristovão, como garantia à ação que cobra uma dívida de R$ 166 mil. Nos Jogos Pan-Americanos de Winnipeg, em 1999, Eurico Miranda parecia ter clones ? ?multiplicava-se? nas entregas de medalhas para dizer que o Brasil no pódio era o Vasco. O Vasco, ?potência olímpica? durou só até a Olimpíada de Sydney, no ano passado (o clube tinha 81 dos 205 atletas, 40% da delegação brasileira). De contorno megalomaníaco, com salários milionários, o projeto ruiu após a Olimpíada.Nem mesmo o futebol, de Romário e Euller, resiste à crise. Nesta sexta-feira, o acerto de um mês dos três salários atrasados não foi feito, mas a ameaça de greve dos jogadores, proibidos de falar com a impresa, também não foi confirmada ? o time enfrenta o Fluminense, no domingo.Nem o silêncio imposto pode esconder a realidade do Vasco: salários atrasados; calote e processos na Justiça; perda do passe de Júnior Baiano, Juninho Pernambucano, Edmundo; Eurico investigado pela CPI do Futebol...Processo - A equipe de atletismo da Funilense, de São Paulo, entrou na Justiça contra o clube, no início do ano. A ação de execução 103/01, na 5.ª Vara Cível de Campinas, cobra salários de 40 profissionais, referentes a quatro meses de 2000. O presidente do clube, Sérgio Coutinho Nogueira, sabia do ?risco pós-olímpico? e fez um contrato que deve ajudá-lo a vencer na Justiça.O cavaleiro Rodrigo Pessoa espera um acordo para receber os cinco meses de salários atrasados. Mas os atletas do vôlei preparam-se para entrar na Justiça. O técnico Marcos Lerbach informou que, na próxima semana, o grupo acerta os detalhes de um processo conjunto. Giovane já está na Justiça. ?Não tenho sorte com clubes de futebol que montam vôlei?, diz Lerbach, que já tomou (97/98) calote do Fluminense. ?É uma poupança forçada.?Entre as vice-campeãs da Superliga, Fernanda Venturini, Ida e Denise estão na Justiça. A líbero Sandra, que move ação isolada, foi a primeira a comprar a briga, abandonando o Vasco no meio da temporada.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.