Projeto de boxe continuará em agosto

A quarta edição do Boxe Brasil, projeto empresariado por Acelino Popó Freitas que organiza noitadas de boxe, será em agosto, provavelmente, em Belém. O evento já tem garantido a transmissão da TV Bandeirantes, que fechou contrato para passar outras quatro programações. O Boxe Brasil, que tem como destaque lutadores como o meio-médio Luciano Silva, o pena Agnaldo Nunes e o mosca Dilsinho, já despertou interesse dos empresários norte-americanos. "Tivemos propostas de Oscar De La Hoya e da HBO, mas vamos analisar bem e cuidar bem do nosso projeto", disse Josafá Santos, co-promotor do Boxe Brasil, juntamente com Popó. Para reunir os melhores lutadores do País, o Boxe Brasil possui uma estrutura inédita na nobre arte brasileira, só vista nos combates do meio-pesado Mário Soares, em São Paulo. Na edição de Salvador, no último fim de semana, os 16 pugilistas que participaram nas preliminares de Popó x Salazar ficaram hospedados em hotel de luxo por uma semana, receberam assistência médica de uma clínica especializada em traumatologia e ortopedia do boxe, além de assinarem contrato, sob fiscalização da Confederação Brasileira de Boxe e da Federação Baiana. "Queremos dar ao boxe a credibilidade que ele merece", disse Josafá. "É muito difícil fazer boxe no Brasil porque as empresas e televisões acham que não terão um bom produto para veicular seu nome.Precisamos combater isso". Cada edição do Boxe Brasil custa em média R$ 50 mil, sem a presença de Popó. No caso de Salvador, o valor foi o dobro. A Bandeirantes pagou R$ 200 mil por cinco eventos. O Boxe Brasil na Bahia teve o apoio do Governo do Estado, de uma churrascaria, de um clínica e de um hotel. "Nossa intenção é crescer e dar oportunidade para que o boxe do Brasil volte a estar presente na mídia e o público de volta às noitadas", afirmou Josafá.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.