Divulgação/Unisanta
Divulgação/Unisanta

Promessa da natação tem números melhores que Cielo no Juvenil

Felipe Ribeiro disputará o Maria Lenk a partir desta segunda

Igor Ferraz, O Estado de S. Paulo

06 de abril de 2015 | 07h00

Nos últimos anos, o Brasil melhorou expressivamente seu resultado nas provas internacionais e olímpicas de natação. A depender dos números da nova geração de nadadores do Brasil, a expectativa cresce ainda mais. Felipe Ribeiro de Sousa, atleta de 17 anos da Unisanta, por exemplo, recentemente quebrou a marca abaixo dos 50 segundos nos 100m livre na categoria Juvenil II, feito nunca antes conseguido por um brasileiro. Agora, ele se prepara para a disputa do Troféu Maria Lenk, entre os profissionais, que terá início nesta segunda-feira.

No Campeonato Brasileiro Juvenil de Verão, que aconteceu entre 26 e 29 de novembro de 2014, Felipe bateu a impressionante marca de 49s93 nos 100m livre com apenas 16 anos, quebrando o recorde do amigo Matheus Santana. "Temos uma relação muito boa. Treinamos juntos e aprendemos um com o outro, além de existir uma admiração mútua", afirma.

Felipe cita o companheiro de equipe na Unisanta como uma de suas referências ao lado de ninguém menos do que Michael Phelps, maior medalhista olímpico de todos os tempos. Nos Jogos Olímpicos da Juventude de 2014, Matheus Santana faturou duas medalhas de prata (nos 50m livre e no revezamento 4x100m livre misto) e uma de ouro - esta nos 100m livre - quebrando o recorde mundial Júnior e anotando nada menos do que o quinto melhor tempo entre todas as competições mundiais do ano, com 48s25.

César Cielo, por exemplo, atual recordista mundial da prova, chegou à marca de 51s99 quando nadava na categoria Juvenil II, ou seja, cerca de dois segundos acima do tempo de Felipe Ribeiro. É bom lembrar que, na prova dos 100m, dois segundos é um tempo considerável. Nathan Adrian, atual campeão olímpico, chegou apenas a 50s99.

Nadando competitivamente desde os nove anos pela Unisanta, o jovem atleta nega se sentir 'pressionado' pelos números expressivos: "Pelo contrário. Depois da marca dos 49s93, tive um 'estalo' de motivação. Afinal, se já consegui chegar até aqui, posso conseguir muito mais", afirma. Agora, o objetivo de Felipe Ribeiro, além de baixar ainda mais seu tempo na prova, é o de participar dos Jogos Olímpicos de 2016, no Rio de Janeiro.

"Me vejo em 2016, acho possível. Me considero com grandes chances, porém seria mais por uma questão de primeira experiência, para, a partir de 2020, ir em busca do sonho olímpico", projeta.

Porém, para o Troféu Maria Lenk, que tem início nesta segunda-feira, Felipe Ribeiro já se vê em nível competitivo. "Meu tempo não é muito abaixo dos outros. Para este ano, pretendo pular a etapa da final B e chegar à final A", revela Felipe. Ele também conta como funciona a preparação para este tipo de competição: "Agora, já diminuímos o ritmo de treinos. Quando o torneio se aproxima, é comum aliviar um pouco a preparação para chegar 100% quando for para valer". Aos 17 anos, a promessa já disputará sua terceira edição do torneio.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.