Prontos para a 'arrogância' do Brasil

À primeira vista, parece críticam nas holandeses elogiam Brasil e jogam todo o favoritismo para a equipe de Dunga

Almir Leite, O Estado de S.Paulo

29 de junho de 2010 | 00h00

Carregado. Kuyt deu o passe para Sneijder marcar e celebrou com o amigo nos ombros

 

Após garantir a classificação para as quartas de final da Copa da África do Sul, a Holanda começa hoje a se preparar para enfrentar a "arrogância brasileira". Foi assim que o técnico Bert Van Marwijk definiu ontem a equipe de Dunga. Não se trata, porém, de uma censura ao comportamento da seleção brasileira e, sim, de um elogio à moda holandesa.

Veja também:

especial CRONOLOGIA: Copa, dia a dia

tabela TABELA - Jogos | Classificação | Simulador

 

Van Marwijk disse admirar o adversário de sexta-feira. "OBrasil é uma equipe sólida, estável, que se defende com até seis jogadores, sabe atacar", analisou o treinador. "Tem essa arrogância positiva de que parece invencível. Seria bom que nós também tivéssemos isso", afirmou. O holandês entende que, pela primeira

 

vez nessa Copa, seu time vai ter a vantagem de não entrar em campo como favorito. Ou seja, sem a obrigação de vencer. "O Brasil é uma grande equipe, mas não é invencível. A responsabilidade, a pressão e a superioridade que representa podem jogar contra os brasileiros."

 

Van Marwijk foi um dos poucos a falar claramente sobre o confronto com o Brasil. Os jogadores preferiam dizer que o momento era de comemorar a classificação às quartas de final. "Vamos relaxar agora, depois falo do Brasil",disse Robben. Depois, porém, falou.E disse que sua equipe não fez exibição perfeita contra os eslovacos. "A partida perfeita da Holanda está por chegar. Talvez chegue contra o Brasil."

 

O volante De Jong chegou a se irritar após o jogo com os eslovacos, disputado pela manhã, com as perguntas sobre o duelo contra os brasileiros, que jogariam à tarde contra o Chile. Mas garantiu que não há sentimento de vingança pelo fato de os pentacampeões mundiais terem eliminado a Holanda nas Copas de 1994, nos Estados Unidos, ao vencer por 3 a 2 nas quartas de final, e na de 1998, na França, ao ganhar nos pênaltis nas semifinais. "Não há nada disso. É apenas mais um jogo. Entre duas grandes equipes, mas só um jogo",observou. De Jong, de 25 anos, era criança naquelas ocasiões.

 

Problemas.

 

Mas o técnico Van Marwijk admite que seu time terá de melhorar muito se quiser derrubar o Brasil nas quartas de final. Ele percebeu vários erros na parti da de ontem,contra a Eslováquia. "Não estivemos bem no último passe. O adversário poderia até ter empatado. Sorte que nosso goleiro (Stekelenburg) nos salvou com duas grandes defesas, precisamos melhorar",analisou.

 

E por falar em Stekelenburg, o goleiro holandês deu a resposta clássica ao falar do confronto contra o trio de frente do time pentacampeão, com Luís Fabiano, Robinho e Kaká. "O Brasil tem uma grande equipe, com belos jogadores, mas estamos bem também. Nossos jogadores também são bons. Vai ser um grande jogo."

 

 

 

 

 

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.