Protesto mineiro contra arbitragem não funciona

Cartolas do Cruzeiro se reúnem com comissão, mas saem frustrados com avaliação positiva a Sandro Meira Ricci

Bruno Lousada / RIO, O Estado de S.Paulo

19 de novembro de 2010 | 00h00

O Cruzeiro foi ontem à Confederação Brasileira de Futebol (CBF) para pressionar a Comissão Nacional de Arbitragem da entidade. A diretoria celeste levou um DVD com supostos erros da arbitragem contra o time mineiro no Campeonato Brasileiro e pediu punição ao árbitro Sandro Meira Ricci pelo pênalti marcado no atacante Ronaldo no último sábado, no Pacaembu. Esse lance resultou no gol da vitória do Corinthians sobre a equipe de Belo Horizonte.

Três dirigentes do Cruzeiro saíram decepcionados de uma reunião com o presidente da comissão de arbitragem, Sergio Correa, na sede da CBF. Não esperavam ouvir que a atuação do juiz foi muito boa.

"Não acredito em punição (a Ricci). Esperávamos que a comissão tivesse uma outra leitura", disse o diretor de futebol, Dimas Fonseca. A CBF se comprometeu a avaliar, em breve, as imagens editadas pelo Cruzeiro e designou Aristeu Tavares, instrutor de arbitragem da entidade, para emitir um parecer. Isso, no entanto, não animou a diretoria mineira.

"Um erro a essa altura do campeonato tem de ter uma punição mais rigorosa. Saio daqui satisfeito com a recepção da comissão, mas insatisfeito com a interpretação (sobre a atuação de Ricci)", emendou Fonseca, acompanhado do vice-presidente de futebol Gustavo Perrella e do gerente de futebol Valdir Barbosa.

Antes do encontro, eles acompanharam o sorteio dos árbitros para a próxima rodada do Campeonato Brasileiro, no fim de semana. O gaúcho Leandro Vuaden vai apitar o jogo entre Cruzeiro e Vasco, domingo, em Belo Horizonte. "Ele é um ótimo árbitro", elogiou Fonseca.

Dos três times que brigam pelo título, somente o Corinthians não enviou ninguém para o sorteio. O Fluminense, outro candidato, foi representado por Marcelo Penha.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.